Local

Santana Lopes apela a António Costa para visitar a ala pediátrica do São João no Porto

O presidente da Aliança, Pedro Santana Lopes, pediu hoje ao primeiro-ministro, António Costa, para visitar a ala pediátrica do Hospital de São João, no Porto, a funcionar em contentores há dez anos, para tomar “conhecimento real” da situação.

“Eu não sei governar e tomar decisões sem ver `in loco´. O atual primeiro-ministro ainda não veio cá [ala pediátrica] e acho que devia vir, e não estou a dizer isto como um jogo político, mas ver com os próprios olhos é outra coisa e permite a quem manda ter outra perceção e outra força para decidir, senão estamos sempre a decidir à distância, sem conhecimento real das situações”, afirmou aos jornalistas no final de uma visita à ala pediátrica.

Frisando não querer ganhar um voto, nem fazer demagogia com esta situação, Santana Lopes considerou que António Costa tem de “ouvir e ver” como estão as instalações pediátricas para por as obras a andar mais depressa.

“Ele [primeiro-ministro] que venha cá porque ajuda, já exerci aquelas funções, embora por pouco tempo, e sei que ajuda ver as coisas com os próprios olhos”, frisou.

Sobre as responsabilidades no atraso da obra, o líder da Aliança considerou que “todos” têm responsabilidades, uns mais do que outros, mas todos as têm, acrescentando não ter feito a visita para “atirar pedras” aos outros, mas para se inteirar da situação.

Santana Lopes vincou que esta é uma “causa coletiva e nacional” e não apenas da região do Porto, desejando que se resolva “muito, muito, muito depressa” porque as crianças estão a ser tratadas em “condições inaceitáveis, indignas e incompreensíveis”.

Questionado sobre a última data apontada pelo Governo para o arranque das obras – entre final deste ano e início de 2020 – o presidente do Aliança assumiu não querer “fazer de São Tomé e só acreditar quando vir”.

Querendo acreditar que as datas vão ser cumpridas, Santana Lopes entende que final do ano ou início do próximo “é ainda muito tempo” para quem espera há tantos anos.

O internamento oncológico e geral de pediatria do São João funciona em contentores provisórios desde 2011 e o parlamento aprovou em novembro, por unanimidade, a proposta de alteração do PS ao Orçamento do Estado para 2019, de forma a prever o ajuste direto para a construção da ala pediátrica.

Em 22 de fevereiro, a ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou que as obras da nova ala pediátrica começam no final deste ano ou início do próximo.

“O Governo, este Governo, já canalizou para o hospital 23 milhões de euros, 19 milhões de euros são para o pagamento da obra e três milhões de euros são para o capital estatutário”, disse no final de uma reunião com as várias entidades envolvidas no processo.

Além disso, Marta Temido estimou que as crianças com doenças oncológicas sejam realojadas para uma área do edifico principal do São João a partir de abril ou maio, até à conclusão da obra da nova ala pediátrica.

Mais partilhadas da semana

Subir