Desporto

Sá Pinto diz que a “palavra de ordem este ano é superação”

O novo treinador de futebol do Sporting de Braga, Sá Pinto, disse hoje ter ingressado num “grande de Portugal”, ironizou com o facto de “continuar muito calmo” e frisou que a “palavra de ordem este ano é superação”.

O técnico, que já orientou hoje o treino dos minhotos, afirmou durante a conferência de imprensa de apresentação partilhar de várias ideias do anterior treinador, Abel Ferreira, sobre o qual fez questão de lembrar ter convidado para ser seu colaborador na equipa júnior do Sporting, em 2011/12.

“Já falei com o Abel, tenho estado em contacto com ele e tenho um conhecimento geral da equipa. Comungamos da ideia de jogo, os grandes princípios, a ideia de jogo ofensiva e defensiva, temos ideias parecidas e estamos em sintonia. Não somos iguais, claro, até em termos de personalidade, cada treinador tem a sua forma de liderar. Quero uma equipa sólida e equilibrada, que saiba jogar todos os jogos”, disse.

Sá Pinto frisou que tinha “o desejo de regressar a Portugal, mas tinha que ser para um grande clube”.

“O Braga é um clube à minha imagem, guerreiro, o meu trajeto enquanto jogador e treinador tem sido de grande trabalho, dedicação e sacrifício e, como tal, este clube com certeza que me vai proporcionar tudo para que, juntos, possamos vencer”, disse.

O treinador frisou que o primeiro objetivo será chegar à fase de grupos da Liga Europa, tendo para isso o Sporting de Braga que ultrapassar duas eliminatórias.

“Na liga, o Sporting de Braga, naturalmente, estará sempre entre os quatro melhores de Portugal e a prioridade é garantir o quarto lugar e depois veremos se poderemos pensar em algo mais. Nas taças da Liga e de Portugal, tentaremos chegar o mais longe possível. Num clube como o Braga, com mentalidade ganhadora, o objetivo é sempre tentar vencer o próximo desafio, independentemente da competição em que estivermos envolvidos”, disse.

Sá Pinto quer que a equipa “se supere” – “a palavra de ordem, este ano, é superação” – e considerou que o que pode ajudar a diminuir a distância para Benfica, FC Porto e Sporting, “é ganhar e ter alguma felicidade”.

“Que os detalhes venham ao nosso encontro, porque no ano passado, o Abel fez um excelente campeonato e temporada, não foi muito melhor como ele e os jogadores mereciam, mas foi às meias finais das taças e foi eliminado por dois grandes clubes”, lembrou.

Para Sá Pinto, também “falta aos ‘três grandes’ estarem mais fracos e terem épocas menos conseguidas”.

“O nosso orçamento não é comparável, mas também podemos fazer surpresas e superar-nos. Apesar da diferença, não podemos deixar de acreditar que é possível conquistar o que quer que seja, connosco não há limites”, disse.

O presidente do Sporting de Braga, António Salvador, disse que Sá Pinto foi a “primeira escolha”, depois de ter sido “surpreendido” pela saída de Abel Ferreira, e considerou que “a adaptação vai ser rápida”, porque o clube “tem uma estrutura coesa e forte”.

“A primeira pessoa que me veio à cabeça foi o Sá Pinto. Ele partilha os mesmos valores do clube, a ambição de vencer e paixão no que faz. O Sá Pinto é a pessoa ideal para o cargo. Este clube é uma família e, junto com os adeptos, queremos criar uma onda e uma dinâmica em cada jogo para vencer”, disse.

Sá Pinto disse estar mais experiente, fruto das várias experiências no estrangeiro, mas, acima de tudo, salientou ter a mesma paixão pelo jogo.

“A minha personalidade não se alterou, continuo muito calmo. Espero ter sucesso e divertir-me, porque muitas vezes estamos absorvidos em demasia e não desfrutamos, mas com a responsabilidade que este cargo exige”, disse.

Sá Pinto, que assinou um contrato de duas temporadas, vai ter como treinadores adjuntos Rui Mota, Guilherme Gomes e Carlos Campos, mantendo-se o treinador de guarda-redes Jorge Vital.

O antigo internacional português orientou na época passada os polacos do Legia de Varsóvia, mas não terminou a temporada, saindo em abril deste ano.

Mais partilhadas da semana

Subir