Fórmula 1

Robert Kubica motivado apesar dos problemas no Williams

Robert Kubica mostrou-se muito motivado na sua preparação para um regresso à competição na Fórmula 1, apesar da ausência da Williams nos dois primeiros dias de testes em Barcelona.

O polaco, afastado dos Grandes Prémios depois do acidente sofrido nos ralis, irá voltar a correr depois de uma época como piloto de testes da Williams, que agora lhe dá uma oportunidade para voltar a correr.

Kubica diz que a sensação é quase a que sente um dos estreantes na disciplina: “Lembro-me a primeira vez que tive a oportunidade de testar um F1. É quase a mesma sensação, com a diferença de que não sou um jovem e sei bem o que os jovens estreantes sentem nesta situação”.

O polaco lamenta no entanto a situação que a Williams viveu com o atraso da chegada a Barcelona, devido a alguns problemas no FW42. Perderam-se dias importantes de trabalho, que terão forçosamente de ser recuperados na próxima semana.

Robert Kubica adiantou que na quarta-feira ainda a equipa aguardava por alguns componentes para o carro. E isso teve impacto nos testes que ele e George Russell realizaram esta semana. Questionado sobre o que conheceu do carro, respondeu: “Tem-se uma sensação mas não é como se o carro já tivesse sido rodado antes”.

“Penso que ainda há coisas a acrescentar no carro, provavelmente não muitas, mas certamente que há coisas que estão comprometidas. Não está certo falar delas, como disse já estou aqui para guiar, por isso tempos de nos concentrar nisso. Finalmente temos um carro, por isso espero que na próxima semana possamos concentrar-nos em preparar melhor a primeira corrida porque já estamos perto”, referiu também o polaco.

Kubica que passou a maior parte do seu primeiro dia de testes a experimentar uma sonda aerodinâmica no Williams, fez apenas uma dúzia de voltas verdadeiramente depressa, pelo que no final relativizava o trabalho feito: “Não parece como o quarto dia de testes, pareceu o primeiro dia. Ter a oportunidade para 12 voltas para sentir o carro foi, como é claro, algo muito limitador. Pelo menos fizemos uma série de coisas – mas não foi fácil”.

“Estivemos aqui desde a última sexta-feira e nunca esperei tanto para fazer 12-14 voltas, em que pudesse adotar o meu próprio andamento. Preparamos o que pudemos. Não foram dias muito agradáveis para a equipa, ma finalmente temos o carro. No final a equipa dez um bom trabalho de construi-lo o mais rápido que foi possível”, prosseguiu.

“Claro que há alguns compromissos, penso que sim. Mas finalmente rodamos com o carro, de modo a podermos concentrar-nos no nosso trabalho e estou ansioso pela próxima semana”, acrescentou o piloto polaco.

Mais partilhadas da semana

Subir