Ciência

Renas em risco devido ao aquecimento global

Uma equipa de investigadores do Instituto James Hutton (centro de ciência escocês) e do Instituto da Universidade de Ciências Vivas da Noruega estudaram a evolução das renas, medindo e pesando os animais desde 1994.

Para tal, todos os invernos capturavam, marcavam e medias as renas com dez meses de idade, no arquipélago de Svalbard, na Noruega. Voltavam ao mesmo local todos os anos para medir e pesar diferentes gerações até alcançarem a idade adulta.

O estudo realizado pelos investigadores mostra que, em 16 anos, o peso das renas adultas diminuiu 12% por causa do aumento das temperaturas.

“Nestes últimos 20 anos, um período de aquecimento visível, tanto no verão como no inverno no Ártico”, as renas do arquipélago de Svalbard, na Noruega, “tornaram-se mais pequenas e mais leves”, afirmam os investigadores num comunicado apresentado em Liverpool, na Inglaterra.

As conclusões deste estudo mostram que em 16 anos, o peso das renas adultas diminuiu, passando dos 55 quilos nos animais nascidos em 1994 para os 48 quilos naqueles que nasceram em 2010.

“Pode parecer pouco, mas dada a importância do peso corporal na reprodução e na sobrevivência, é potencialmente enorme”, disse Steve Albon, do Instituto James Hutton, à agência de notícias AFP.

O investigador ainda explica que sempre que o peso médio das renas é inferior a 50 quilos em abril, a população diminui. Para os cientistas, esta diminuição do peso das renas está relacionado com o aquecimento global.

Invernos mais quentes originam mais chuva, que cai sobre a neve e congela, o que impede o acesso das renas à vegetação que costumam comer. “As renas têm fome, perdem as crias ou dão à luz animais mais pequenas”, explicou.

Em novembro foi divulgado outro estudo sobre as renas na Sibéria que concluiu que o aquecimento global, por causa das chuvas, ameaça esta espécie, ao impedir o acesso do animal aos alimentos. Segundo este estudo, 61 mil renas da Sibéria corriam o risco de morrer de fome por causa do fenómeno das chuvas no inverno.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir