Motores

Promotores do WRC querem mais privados

A dias da edição 2018 do Rali de Portugal, os organizadores do Campeonato do Mundo de Ralis (WRC) revelaram a sua intenção de tomar medidas para ter mais privados na categoria principal.

Para conseguirem o seu objetivo os promotores do WRC querem substitiuir os atuais carros com a especificação de 2017 – com restritor de turbo de 36 milímetros – com uma nova versão – com restritor de 34 milímetros – e levaram essa proposta a uma reunião da Comissão de Ralis da FIA realizada no mês passado em Genebra.

Há também o desejo dos responsáveis do Campeonato do Mundo que a nova geração de carros WRC possa ser usada noutras competições, pois essa seria uma forma de motivar privados como Martin Prokop e Lorenzo Bertelli a apostarem novamente em provas do ‘Mundial’, das quais os dois se afastaram este ano.

A Toyota tem sido apontada como a marca mais inclinada a fornecer um Yaris WRC a um privado, sendo apontado Nassar Al-Attiyah como o mais sério candidato a fazer uma série de provas selecionadas, mas Tommi Makinen, o responsável pelo envolvimento do construtor japonês no Campeonato do Mundo já fez saber que esses planos estão suspensos.

Sobre o assunto, o finlandês explicou: “Não posso garantir que vai acontecer, por isso é melhor dizer não. O nosso objetivo era fazer correr um quarto carro privado. Se puder ser feito e se for positivo então poderá ser feito, se não a nossa prioridade é o que temos agora”.

Yves Matton, responsável da Federação Internacional para os ralis, não quis tecer muitos detalhes sobre o que sucedeu na reunião realizada em Genebra, mas foi dizendo: “Tivemos uma reunião muito produtiva com os construtores sobre uma visão a longo prazo sobre os carros do WRC. Vamos continuar a debater o assunto e estudar as possibilidades para a nossa disciplina, que tem diferentes desafios”.

Mais partilhadas da semana

Subir