Desporto

Processo disciplinar ao FC Porto deve-se a alegado caso de racismo

O processo disciplinar que o Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol instaurou ao FC Porto a 17 de janeiro deve-se aos alegados insultos racistas dos adeptos contra Abdu Conté, jogador do Moreirense.

A decisão foi agora revelada pelo jornal Desportivo, de Guimarães, uma vez que, à data, o CD não apresentou a causa do processo, o qual corre já termos na Comissão de Instrutores da Liga.

O caso remonta à partida da 16.ª jornada da I Liga, realizado a 10 de janeiro, no Estádio Comendador Joaquim de Almeida Freitas.

De acordo com o relatório da GNR, adeptos afetos ao FC Porto, que estavam na bancada topo do estádio, proferiram insultos racistas contra Abdu Conté, aos 37 minutos da partida, momento em que o lateral cometeu penálti sobre Corona.

O mesmo jornal avança que o termo ‘racista’ está especificado no relatório da GNR, que já teria reportado a situação aos delegados da Liga, no final do encontro.

Fernando Silva e António Reis, os delegados, reportaram a denúncia da GNR, ressalvando não se terem apercebido dos cânticos injuriosos.

Artur Soares Dias, que arbitrou a partida, não fez qualquer referência ao incidente.

Abdu Conté foi arrolado como testemunha, pelo que vai ser chamado pela Comissão de Instrutores a apresentar a sua versão.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir