Ásia

Presidente do Comité Olímpico do Japão de saída devido a escândalo, segundo a imprensa

O Comité Olímpico do Japão (COJ) vai deixar o cargo devido a um escândalo de compra de votos para a candidatura de Tóquio aos Jogos de 2020, que está a ser investigado pela justiça francesa, noticia hoje imprensa.

Em declarações ao canal estatal NHK, fonte próxima do processo garantiu que a retirada de Tsunekazu Takeda “é inevitável”, tendo em conta a sua implicação no caso de compra de votos.

Takeda, que preside ao COJ desde 2001, tencionava candidatar-se a um novo mandato em junho.

O presidente do COJ, considerado um dos principais artífices da vitória da candidatura nipónica, está a ser investigado pelas autoridades francesas por corrupção ativa.

Na base das suspeitas está o pagamento de 1,8 milhões de euros à empresa Black Tidings, detida, na altura, pelo senegalês Massata Diack, filho do então presidente da Federação Internacional de Atletismo (IAAF), Lamine Diack.

Essa verba, oficialmente destinada à preparação de dois relatórios, terá servido para subornar os membros africanos do COI, através da influência de Lamine Diack, que, na altura, fez campanha pela capital japonesa.

Mais partilhadas da semana

Subir