África

Presidente de Angola quer mais investimento para combater desemprego

O Presidente da República de Angola, João Lourenço, apelou hoje, em Luanda, a um aumento do investimento, sobretudo privado, para combater o desemprego que atinge mais de um quarto da população angolana.

João Lourenço, que discursava na abertura do Fórum Empresarial Nacional, reconheceu um aumento dos níveis de desemprego, que atribuiu à recessão económica registada nos últimos anos no país.

“Trata-se de um problema que deve preocupar a todos e que só será resolvido com o aumento do investimento na economia, sobretudo do investimento privado”, disse, citado pela Agência de Notícias Angolana – ANGOP.

Dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), referentes a 2018, avançados pela mesma agência, indicam que a taxa de desemprego em Angola se situa nos 28,8 por cento (cerca de três milhões de habitantes) e afeta sobretudo os jovens.

Para o chefe de Estado angolano, só com o aumento do investimento Angola poderá voltar a crescer, criar mais postos de trabalho e proporcionar aos angolanos melhores rendimentos.

Por isso, João Lourenço exortou os empresários a investirem mais nas indústrias pecuária, das pescas e do turismo.

O Presidente angolano homenageou os empresários que conseguiram manter-se ativos apesar da crise económica e financeira, reconhecendo o seu profundo patriotismo e capacidade de empreender em momentos e circunstâncias difíceis.

“Devem manter-se firmes, porque o compromisso do executivo para mudar a situação é igualmente firme. As reformas que estão a ser implementadas vão, efetivamente, dar os frutos desejados para alavancar a economia angolana”, assegurou.

João Lourenço elencou uma série de medidas que estão a ser tomadas pelo Governo, nomeadamente na mobilização de recursos financeiros para financiar o setor privado angolano.

O Presidente da República apontou as linhas de crédito que estão a ser negociadas com um banco alemão e lembrou, igualmente, que o Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA) tem orientações para utilizar os recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento para bonificar as taxas de juros.

A nível externo, o Presidente referiu que instituições financeiras internacionais como o Banco Mundial, o Banco Africano de Desenvolvimento, ou a Agência Francesa de Desenvolvimento estabeleceram programas com o executivo angolano para mobilizar recursos, visando financiar projetos do setor privado em Angola.

Aos empresários, João Lourenço pediu que os recursos financeiros disponibilizados sejam utilizados de modo criativo, com vista a tornar a economia angolana sustentável e menos dependente do petróleo.

“Vamos trabalhar para estabelecermos uma relação mais positiva entre o volume de crédito concedido e os resultados que almejamos alcançar em termos de produção”, sublinhou.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir