África

Presidente da Guiné-Bissau apela aos guineenses para fazem recenseamento eleitoral

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, apelou hoje aos guineenses para “não serem preguiçosos” e fazerem o recenseamento para votarem nas eleições legislativas de 18 de novembro.

“Peço a todos os guineenses para não terem preguiça. Não é por cinco ou dez minutos que vamos perder um dos grandes momentos, que é o momento de termos o cartão (eleitoral) para votar no dia 18”, afirmou José Mário Vaz.

O Presidente guineense falava aos jornalistas depois de ter sido recenseado num edifício no centro de Bissau, a alguns metros da Presidência, e para onde se dirigiu a pé, juntamente com o primeiro-ministro do país, Aristides Gomes.

“Estão reunidas todas as condições para fazer o recenseamento. Aos que estão na bolanha (arrozal), na pesca, na oficina mecânica, na carpintaria, taxistas, independentemente de onde estiverem, o melhor momento para mostrarmos a nossa cidadania é de facto termos este cartão para votarmos no dia 18 de novembro”, afirmou, enquanto mostrava o seu cartão eleitoral.

O primeiro-ministro insistiu que é preciso todos os guineenses façam o recenseamento para se realizarem as eleições legislativas.

“O Governo trabalha dia e noite para pôr à disposição de todas as estruturas encarregues do recenseamento e fiscalização do recenseamento todas as condições logísticas, materiais e de recursos humanos para realizar com sucesso o trabalho de recenseamento”, disse, salientando que o registo de eleitores é importante para realizar as eleições, fundamentais para a estabilidade do país.

O recenseamento eleitoral na Guiné-Bissau devia ter começado a 23 de agosto, e decorrer até 23 de setembro, mas atrasos na receção de ‘kits’ para registo biométrico dos eleitores atrasou o processo durante quase um mês.

O primeiro-ministro voltou na quarta-feira a anunciar o início do recenseamento eleitoral, mas na prática o registo de cidadãos eleitores só teve início hoje.

Mais partilhadas da semana

Subir