Economia

Presidente da CGD diz que a sua idoneidade não está “em avaliação”

O presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) disse hoje que a sua idoneidade “não está em avaliação”, quando questionado sobre notícias que o envolvem alegadamente num processo de favorecimento quando estava no BCP.

“Relativamente à questão, não está em avaliação”, disse Macedo, quando questionado sobre a avaliação da sua idoneidade e se tem condições para continuar como presidente do banco público.

“Eu acho que há uma minimização, independentemente de tudo, do que é um banco público cumprir o seu plano estratégico e a displicência com que se fala de a equipa de gestão executar o mesmo, naquilo que é fundamental para o Estado português na maior instituição financeira”, afirmou.

A avaliação da idoneidade de Paulo Macedo tem sido falada desde que o gestor foi referenciado como tendo dado emprego, quando estava no BCP, a um ex-assessor do antigo ministro da Economia Manuel Pinho, a pedido da EDP.

Em final de setembro, em entrevista à Lusa, o ministro das Finanças elogiou o “cumprimento exemplar” pelo presidente da CGD do plano de negócios, realçando que, felizmente, a avaliação da idoneidade é feita pelo Banco Central Europeu (BCE).

Questionado sobre se o Estado, enquanto acionista único da CGD, tem conhecimento de que a idoneidade de Paulo Macedo está a ser avaliada, o ministro das Finanças referiu que “a avaliação da idoneidade é feita pelo BCE, não pelo ministro de Finanças”.

“E acho que é muito bom que assim seja. Deus nos livre de voltar aos tempos em que era o governo que fazia a avaliação da idoneidade dos gestores da CGD”, referiu.

A CGD divulgou hoje que obteve lucros de 640,9 milhões de euros nos primeiros nove meses deste ano, mais 73,5 por cento do que nos mesmos nove meses de 2018.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir