Economia

Portuguesa OncoStats fecha campanha de financiamento na Seedrs com sucesso

A startup OncoStats pretende mudar a prática da oncologia no mundo. Recorreu à Seedrs, a maior plataforma europeia de equity crowdfunding, e angariou os 250 mil euros pretendidos, 13 dias antes do prazo previsto para o fim da campanha.

A portuguesa OncoStats tornou-se na sexta empresa portuguesa a conseguir captar investimento de vários investidores de todo o mundo, através da sua operação de venda de ações em equity crowdfunding.

A primeira empresa portuguesa do sector da saúde a recorrer à Seedrs atingiu o objetivo pretendido ao captar 250 mil euros por 10% do seu capital, avaliando a empresa em 2,25 milhões de euros, numa ronda de financiamento que atraiu mais de 100 investidores. A campanha, que atingiu mais de 25% do objetivo logo no primeiro dia, entrou em overfunding e vai manter-se ativa durante as próximas duas semanas.

O encaixe da operação servirá para financiar a criação de uma equipa a tempo inteiro para o desenvolvimento e internacionalização da OncoStats que, numa primeira fase, contará com sete cargos neste regime: um gestor executivo, três software developers, um designer, um investigador e um administrativo. Esta equipa assumirá a operação da OncoStats, tanto a nível nacional como internacional.

Para Miguel Borges, “conseguir concluir com sucesso a campanha de financiamento através do modelo de equity crowdfunding antes do prazo e conquistar o interesse de tantos investidores em todo o mundo são motivos de grande satisfação”.

O CEO e um dos três cofundadores da OncoStats acrescenta ainda que “este financiamento vai permitir concretizar a equipa responsável pelo amadurecer da plataforma, pela expansão a outros tipos de cancro e iniciar a nossa estratégia de internacionalização”.

A OncoStats permite que as informações clínicas sejam registadas de forma sistemática e estruturada numa plataforma desenhada por médicos e para médicos, sendo cada registo previamente validado por estes profissionais.

Com a recolha de dados do mundo real, a OncoStats irá igualmente auxiliar os médicos na tomada de decisão do tratamento que melhor se adequa ao perfil individual do doente. Os pacientes também podem comunicar informações e efeitos durante os tratamentos ambulatórios com as equipas clínicas, envolvendo-se no tratamento através de uma aplicação móvel.

Para Filipe Portela, diretor de desenvolvimento de negócios da Seedrs, “o facto de uma empresa do setor da saúde ter conseguido financiar-se com sucesso numa fase seed é um excelente sinal da qualidade das startups portuguesas nesta área e demonstra que qualquer startup pode realizar campanhas na Seedrs”.

Fundada em novembro de 2015, a medtech OncoStats é uma startup portuguesa que pretende mudar a prática da oncologia no mundo.

Permite que as informações clínicas sejam registadas de forma sistemática e estruturada numa plataforma desenhada por médicos e para médicos, sendo cada registo de informação previamente validado por estes profissionais. Os pacientes podem também comunicar o seu estado e efeitos adversos durante os tratamentos ambulatórios com as equipas clínicas, envolvendo-se também no tratamento através de uma aplicação móvel.

Os dados recolhidos produzem evidência do mundo real que influencia a forma como os cuidados oncológicos são decididos e prestados.

A OncoStats tem impacto em várias dimensões. Para os oncologistas estrutura, sistematiza e economiza tempo no registo e produção de relatórios para a consulta de grupo, melhora a qualidade da informação clínica e reduz a probabilidade de erro médico, apoiando na decisão clínica e aconselhando a terapêutica mais adequada para as características individuais do paciente.

Para os pacientes resulta num melhor atendimento e decisão de tratamento ao qual serão submetidos, enquanto que para os administradores hospitalares e diretores clínicos resulta na optimização dos tempos de consulta e custos envolvidos no processo oncológico, nomeadamente na realização de exames, devido à potenciação de diagnósticos mais precisos. Já para as farmacêuticas significa melhor qualidade de evidência de mundo real e dados de vigilância e segurança de fármacos, o que as dotará de um maior poder negocial com entidades reguladoras e Governos.

Mais partilhadas da semana

Subir