Clube dos Pensadores

Porto e Pinto da Costa

pinto costa1fc porto estadio 600Antes de escrever esta crónica pensei duas vezes. O que vou dizer pode inviabilizar a vinda, um dia, de Pinto da Costa ao Clube dos Pensadores (CdP). Já falei pessoalmente com ele em Gaia, trocamos telemóveis e ficou receptivo a uma possível vinda ao CdP num futuro próximo, dependendo da sua agenda muito preenchida.

Depois deste interlúdio como esclarecimento, vamos ao que se passou no fim do jogo este fim-de-semana com o Estoril.

Estou habituado em Pinto da Costa, a uma frieza, calculismo e racionalidade fora do normal. Vi na televisão, na RTP, Pinto da Costa exaltado com o Comando da Polícia exigindo que os jogadores saíssem pelo local habitual, ao contrário do que a polícia decidiu com a equipa de arbitragem e a equipa do Estoril. A polícia fê-lo devido a uma manifestação de adeptos do Porto, descontentes com a derrota portista e exigindo explicações pelo que se está a passar no Porto.

Não sei se eram da claque mas estas situações a quente e com tentativa de pressão não funcionam com Pinto da Costa. O treinador irá embora quando ele quiser e achar oportuno, e nunca, por pressão de quem quer que seja.

Porém, de seguida, viu-se de novo pela televisão na SIC todo o staff directivo do Porto dentro de uma das garagens do Dragão, em conversas fluentes e ar de preocupados. O repórter de serviço da SIC relatando os acontecimentos sem alarmismo e com veracidade, informou que conseguiu a anuência do presidente do Porto para falar dos acontecimentos provocados pela manifestação de adeptos.

Quando isso aconteceu, como é habitual, outros jornalistas, de outros órgãos de comunicação social, aproveitaram a oportunidade conseguida pelo jornalista da SIC e avançaram com perguntas relacionadas com a mudança de treinador e com a contestação durante o jogo com lenços brancos.

Não me recordo de ter visto Pinto da Costa tão intempestivo e a perder o controlo, insurgindo-se contra o referido jornalista, exigindo que saísse daquele local. Foi pena pois o seu esclarecimento ficou amputado e as referidas declarações terminaram.

Ficaram duas frases que registei, «os ratos é que fogem» e «os jogadores vão sair pelo local como sempre o fizeram». Todavia eu vi na televisão os jogadores a saírem com ar amedrontado e bastante rápido com medo que algo acontecesse. Logo de seguida vi o carro do jogador Ricardo Quaresma, a dar a sensação de avançar para alguns jornalistas que estavam a pé indefesos.

Há tempos escrevi um artigo Porto: dirigentes, em que acho que Pinto da Costa é um Senhor e tem um passado de títulos que fala por si. Não se deve meter em determinadas situações e deve estar acima deste tipo de zaragatas

O Porto já venceu tanta coisa, um ano que perca não vem nenhum mal ao mundo!

O que fico perplexo é da pressão da claque e de alguns adeptos sobre os jogadores em que estes temem represálias e agressões. Por outro lado perante esta situação de manifestação, a polícia é que deve decidir o que é melhor, para a integridade física dos intervenientes naquele jogo: jogadores do Estoril, árbitros e jogadores do Porto.

Muita gente diz que Pinto da Costa está velho e ultrapassado e que deveria sair. Alguns dizem mesmo que está senil. Não estou de acordo.

Teve um dia menos feliz mas deve repensar a sua postura. Ao falar com a polícia ao telemóvel, deveria ter tido cuidado e ser mais discreto. Hoje em dia, as tecnologias usadas pela imprensa conseguem captar imagens e sons mesmo distantes. Se queria esclarecer os portistas via televisão, permitia que o jornalista da SIC entrasse nas imediações e lhe desse o exclusivo. Ao ficar na entrada permitiu que outros jornalistas se abeirassem dele e lhe fizessem outro tipo de perguntas. Cometeu um erro que não é habitual na sua longa experiência de lidar com a imprensa e jornalistas. Os jornalistas não fazem só perguntas agradáveis e as que o entrevistador gosta. Fazem perguntas inconvenientes e polémicas. Pinto da Costa já deveria saber disso.

Os seus críticos e detractores não lhe perdoam qualquer deslize mas desta vez quem lhe causou problemas foi gente da sua família portista (adeptos) e não adversários.

O Porto este ano não tem estado nada bem, mas também com investimentos mínimos não se pode exigir muito mais. Este treinador não tem estaleca e muito jogadores estão com a cabeça numa possível transferência para outros clubes, com a melhoria significativa do seu contrato, porém os pés estão no Porto. Deste modo não funciona a máquina habitual.

Estou habituado a que Pinto da Costa dê a volta a situações difíceis e intricadas. Logo ao fim da tarde há um jogo com o Eintracht Frankfurt. Conforme o resultado haverá clarificação da situação.

Mais partilhadas da semana

Subir