Nas Notícias

Polícias respondem no TIC de Lisboa

Sete agentes da Polícia de Segurança Pública, entre os quais um oficial detido e outro constituído arguido, estão indiciados por crimes de extorsão e tráfico de droga. Numa operação conduzida pela própria PSP e pelo DIAP de Lisboa, foram apreendidas 18 armas. Os detidos serão ouvidos amanhã, no primeiro interrogatório judicial.

A Polícia de Segurança Pública anunciou hoje a detenção de quatro agentes, num caso que envolve crimes como tráfico de droga e que, no total, entre detidos e suspeitos, envolve sete agentes da PSP, cujas idades variam entre os 32 e 47 anos.

A investigação esteve a cargo da PSP, Divisão de Investigação Criminal do Comando Metropolitano de Lisboa, coordenada pelo DIAP de Lisboa. Entre o material apreendido na operação, destacam-se cinco revólveres, quatro pistolas, três caçadeiras, três armas de alarme, uma arma de alarme adaptada, uma carabina e uma pressão de ar.

As buscas foram realizadas em estabelecimentos de diversão noturna. Hoje, numa conferência de imprensa que decorreu na Esquadra do Estoril, o intendente Luís Elias revela que “foi a própria PSP que denunciou a situação, depois de uma operação que arrancou em março de 2010 e terminou com esta detenção”.

Os agentes (oficial, um chefe e dois agentes) vão responder amanhã, num primeiro interrogatório, no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, que determinará as medidas de coação. “Será normal que haja um processo disciplinar, além do processo-crime que está em curso”, revela Luís Elias.

O intendente destaque a foi a própria PSP, “numa perspetiva de investigação e denuncia”, que levou a cabo a investigação, em parceria com o DIAP de Lisboa, investigação que segue os trâmites normais.

A hierarquia de comando “tomará agora medidas”, para explicar o âmbito da investigação e “dar nota de que a instituição tem capacidade de regulação interna”, para que “com meios próprios e em conjugação com autoridades judiciárias competentes, pôr termo a atividades ilícitas, que são praticadas por uma minoria”.

Em destaque

Subir