Mundo

Pequim e Moscovo desmentem ter telemóvel de Trump sob escuta

A China e a Rússia desmentiram hoje um artigo do jornal The New York Times que avançou que os serviços de informações destes dois países tinham sob escuta o telemóvel pessoal do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

O diário norte-americano, que citou antigos e atuais responsáveis norte-americanos que falaram sob anonimato, noticiou na quarta-feira que os serviços de informações chineses e russos escutam as ligações telefónicas que Trump faz a partir do seu telemóvel pessoal e que utilizam o conteúdo das conversas do Presidente para ajustar as suas políticas e ganhar vantagem em relação aos Estados Unidos.

Questionada hoje pela comunicação social sobre este assunto, a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Hua Chunying, decidiu responder à pergunta com ironia, afirmando que algumas pessoas não conseguem resistir à tentação “de ganharem o Óscar para o melhor argumento”.

Recorrendo às mesmas acusações que Donald Trump faz frequentemente contra este diário norte-americano, a porta-voz da diplomacia chinesa considerou que o artigo em questão “é uma nova falsa notícia” do The New York Times.

A representante de Pequim sugeriu ainda a Washington, e uma vez que a administração norte-americana receia que o telemóvel de Trump (de uma marca norte-americana) esteja sob escuta, que substitua o telemóvel do Presidente por um aparelho de fabrico chinês.

Em nome da segurança nacional, a utilização de telemóveis de fabrico chinês por militares e funcionários dos serviços públicos norte-americanos está proibida.

Se os Estados Unidos querem uma segurança total “deviam parar de usar meios de comunicação modernos e cortar todos os contactos com o mundo exterior”, concluiu a porta-voz chinesa.

Em Moscovo, o porta-voz do Kremlin (sede da Presidência russa), Dmitri Peskov, também colocou em causa a credibilidade do diário The New York Times, afirmando que a publicação de tais informações representa “um declínio das normas jornalísticas”.

O jornal The New York Times não forneceu muitos pormenores sobre as alegadas ações de espionagem dos serviços de informações de Pequim e Moscovo, mas referiu que Trump tem sido alertado frequentemente, tanto pelos serviços de informações norte-americanos como por vários assessores, que não é seguro utilizar o seu telemóvel pessoal para conversas sobre determinados assuntos, nomeadamente questões políticas e económicas.

Hoje de manhã, o Presidente norte-americano reagiu na rede social Twitter, afirmando que “os chamados especialistas em Trump no The New York Times” tinham escrito “um artigo longo e aborrecido” e “muito errado” sobre o uso do seu telemóvel.

“Está tão incorreto que não tenho tempo para o corrigir. (…)”, escreveu Trump, garantindo ainda que só usa telemóveis governamentais e que raramente usa tais aparelhos.

Mais partilhadas da semana

Subir