Desporto

Pedro Guerra: “É evidente que os árbitros estão a ceder à coação”

O vídeo-árbitro volta a dar polémica e os comentadores desportivos não perderam a ocasião para brilhar. Pedro Guerra, o principal protagonista destes programas, insistiu na tese da “coação”.

“É evidente que os árbitros estão a ceder à coação, às ameaças feitas pelo FC Porto e Sporting”, afirmou Pedro Guerra, no Prolongamento, da TVI.

No entender do comentador do Benfica, é este “clima de intimidação” que “explica a distorção do campeonato”, com os encarnados a cinco pontos do FC Porto (e o Sporting a quatro).

“É tão evidente que os árbitros do campo e os VAR estão claramente a atuar condicionados, com influência na tabela classificativa”, insistiu Pedro Guerra: “Estão condicionados pelo FC Porto. Vimos duas grandes penalidades [contra o FC Porto] não assinaladas, o que é que se passou?”

José de Pina, que apareceu com um martelo (e Sousa Martins questiona: “roubaste isso da marisqueira?”) para exigir “respeito pelo tribunal”, acusou José Fontelas Gomes de “falar como se não houvesse vídeo-árbitro”.

“São declarações corporativas, como se fosse a arbitragem de antigamente”, explicou-se:” O video-árbitro vê tudo e mesmo assim não assinala as coisas, é diferente”.

Calado durante cerca de meia hora, Manuel Serrão achou “notável” que Pedro Guerra fale “na desestabilização dos árbitros” quando estes estão “desestabilizados pelo que aconteceu durante quatro anos no chamado caso dos emails”.

“Quais são os grandes fatores de desestabilização da arbitragem? O que se soube que aconteceu no Benfica, toda aquela teia, com nomes de árbitros – atenção que nenhum árbitro surgiu a desmentir [os emails] –, os árbitros estão condicionados, mas por eles! Por quem escrevia esses emails, por quem os tratava por padres”, argumentou.

Mais partilhadas da semana

Subir