Desporto

Paulo Pereira Cristóvão: “Sabemos quem são as pessoas e serão denunciadas a seu tempo”

paulo_pereira_cristovao_1Vice-presidente do Sporting afirma estar a ser vítima de um “assassinato público” a partir da televisão e dos jornais. Dirigente leonino refere ainda que decidiu voltar atrás na decisão de abandonar Alvalade “por amor ao Sporting”.

Paulo Pereira Cristóvão abre pela primeira vez o jogo em relação ao ‘Caso Cardinal’, em que foi constituído arguido.

O vice-presidente do clube de Alvalade, em entrevista ao jornal Record, afirma estar a ser vítima de um “assassinato público”, em que a televisão e os jornais são os meios utilizados pelos autores do ‘esquema’.

O dirigente leonino diz no entanto que os responsáveis estão identificados: “Sabemos quem são as pessoas e vão ser denunciadas a seu tempo”, sublinha. Paulo Pereira Cristóvão afirma estar “inocente” e fala ainda na decisão de abandonar e voltar depois ao cargo de número dois na presidência do emblema: “Foi uma decisão emocional. Depois recebi conselhos de que não haviam razões para tal e levantou-se o meu amor ao Sporting”, refere, acrescentando que tem mantido o silêncio em prol do clube e da equipa.

Recorde-se que José Cardinal recebeu na sua conta bancária dois mil euros a poucos dias do Sporting-Marítimo, em dezembro de 2011, jogo a contar para os quartos de final da Taça de Portugal. Após investigação da Polícia Judiciária, Paulo Pereira Cristóvão foi constituído arguido, juntamente com mais duas pessoas.

Em destaque

Subir