Mundo

Para erradicar prostituição de rua em Espanha as multas vão para casa

Como é que se pode erradicar a prostituição de rua? Esta foi a pergunta que o município de Gavà, em Barcelona, fez e para a qual procura respostas em forma de atitudes umas mais preventivas que outras. Entre avisos e multas, a autarquia percebeu que não havia uma diminuição deste tipo de atividade. Então, decidiu fazer uma ligeira mudança na aplicação das multas e os resultados estão a aparecer. Em vez de as multas serem pagas pelos clientes quando são intercetados, as coimas são agora encaminhadas para suas casas.

O objetivo é erradicar este tipo de serviço nas bermas das estradas e tentar sensibilizar os automobilistas, já que é algo proibido.

Mas como as multas, por si só, não estavam a demover os clientes de recorrerem a este tipo de serviços nos espaços públicos, a autarquia de Gavà, em articulação com a polícia, decidiu aplicar uma medida diferente.

Nos últimos tempos, ao invés da multa ser paga no momento em que os condutores eram intercetados nas bermas da estrada a recorrerem a serviços de prostituição, agora as coimas têm sido encaminhadas para casa dos condutores.

A Câmara Municipal detetou que os infratores pagavam as multas rapidamente, com a intenção de apagar qualquer evidência (pista) dos factos mas não diminuíam as procuras a este tipo de serviço.

Como o pagamento era logo feito e nem existia qualquer recurso para tentar livrar-se do pagamento, a Câmara de Gavà optou, então, por deixar indicações à polícia para encaminhar as multas para casa.

Com a coima a ser encaminhada para a habitação dos automobilistas, estes não conseguem uma ocultação das provas do que faziam.

A autarquia acredita que, assim, possa ser erradicado das estradas este tipo de serviço.

“É uma mudança substancial com o objetivo de que haja evidências da atividade ilegal que está ser feita”, explica o vereador para Igualdade do município, Gemma Badia.

Além das multas, está em curso uma campanha com cartazes nas estradas.

“Você diverte-se? Ela não”, referem os cartazes enquanto outros avisam que a multa pode ir até aos “três mil euros”.

De acordo com dados da autarquia, revelados ao jornal El País, em 2017, 50 clientes foram multados, um número que é agora menor com o envio das multas para casa.

Mais partilhadas da semana

Subir