Nas Notícias

PAN aponta convergências e lacunas ao programa do executivo socialista

O PAN (Pessoas – Animais – Natureza) apontou hoje uma convergência em algumas das medidas emblemáticas do programa do Governo, aprovado no sábado, mas em comunicado defende que o documento tem “lacunas significativas em áreas chave”.

Em comunicado hoje enviado, o PAN afirma que “o programa apresentado inclui algumas das principais reivindicações” do partido.

“O programa do Governo tem alguns pontos que se cruzam com o programa do PAN, o que significa que existe convergência para fazer avançar algumas matérias relevantes para o país, no entanto, existem lacunas significativas em áreas chave”, defende o partido que elegeu a 06 de outubro quatro deputados, multiplicando por quatro a sua representação parlamentar.

Entre as convergências que o PAN identifica estão, por exemplo, a antecipação do encerramento das centrais termoelétricas do Pego para 2021 e de Sines para 2023, a proibição dos plásticos de uso único até final de 2020, o aumento do salário mínimo nacional, ainda que não para os 800 euros que o partido pretende, ou o aumento da idade mínima para poder assistir a uma tourada, acolhendo “recomendações do Comité dos Direitos das Criança da ONU que instou Portugal a afastar as crianças e jovens da violência da tauromaquia”.

Destacam ainda os objetivos de dar mais autonomia às escolas e um modelo de gestão democrática, a redução dos quadros de zona pedagógica nos concursos de professores, que determinam a extensão da área geográfica em que um docente pode ser colocado, maior investimento em cuidados de saúde primários e a manutenção da CRESAP (Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública).

“O PAN reporta como positivo o compromisso do Governo de manter a CRESAP, mas entende que fica a faltar ainda garantir a sua verdadeira autonomia e um papel mais preponderante no recrutamento”, defendem.

No entanto, “apesar de se reconhecer como positiva esta aproximação”, o PAN defende que “ainda há um caminho importante a fazer, designadamente em matérias fundamentais como o combate à corrupção”, acrescentando ainda “o reforço dos meios afetos à Polícia Judiciária e Ministério Público” e a necessidade de “uma real monitorização da aplicação da lei de bases de habitação e do arrendamento acessível com vista a acompanhar as efetivas necessidades das famílias, dos estudantes, dos jovens, dos idosos e das pessoas em situação de sem abrigo, assumindo, efetivamente, a habitação como o primeiro direito”.

Sobre animais, o PAN diz que o programa do Governo “continua aquém do que é necessário fazer”, pedindo a abolição da tauromaquia, o alargamento do crime de maus-tratos a outros animais que não apenas os de companhia e a redução da taxa de IVA para serviços médicos veterinários e alimentação.

Em matéria ambiental e energética, o PAN quer os privados e as comunidades a produzirem a sua própria energia e um compromisso do Governo para pressionar Espanha a encerrar a central nuclear de Almaraz, perto da fronteira com Portugal.

Em termos de carreiras na administração pública, defende que é preciso valorizar os profissionais da educação e da saúde e de garantir resposta a necessidades permanentes.

O Programa do XXII Governo Constitucional aprovado no sábado em Conselho de Ministros apresenta uma estrutura semelhante à do programa eleitoral do PS, mas diferente da tradicional organização temática por ministérios que caracterizou programas de outros executivos.

Neste documento, com 191 páginas, é apresentado um capítulo com quatro objetivos de curto e médio prazo, denominado “Boa Governação: Contas certas e convergência, investimento nos serviços públicos, melhoria da qualidade da democracia e valorizar as funções de soberania”. Após este primeiro ponto, o programa está depois dividido por quatro áreas temáticas: alterações climáticas, demografia, desigualdades, e sociedade digital.

Após a aprovação o programa do Governo foi enviado por via eletrónica para a Assembleia da República e, conforme decidido em conferência de líderes, será discutido entre quarta e quinta-feira na Assembleia da República – calendário que mereceu a discordância do PSD.

O XXII Governo Constitucional, o segundo chefiado pelo atual secretário-geral do PS, António Costa, foi empossado sábado de manhã pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir