Insólito

Pais de menina que caiu de prédio em Lisboa “condenados à morte” por lapso de tradução

Um erro da tradução do Português para Mandarim ‘condenou’ os pais da menina que caiu de um 21.º andar, num prédio em Lisboa, a uma pena que não existe no sistema penal português. Aliás, Portugal foi o primeiro país do mundo a abolir a pena de morte.

Um erro grave na tradução da pena provocou “profundo mal-estar” nos pais da menina e levou o advogado do casal a pedir “a nulidade da tradução da acusação do Ministério Público”, segundo refere o requerimento, divulgado pela agência Lusa.

O caso remonta a 2016, quando Jiong Wu e Wenzheng Wu, naturais de Shangai, deixaram a filha sozinha em casa, num 21.º andar de um prédio no Parque das Nações, e foram ao Casino de Lisboa.

A menina, de 5 anos, caiu de uma varanda e morreu no local.

Os pais, ambos com 40 anos, foram a julgamento, por decisão de um Juiz de Instrução Criminal, que considerou que estes violaram os seus deveres, abandonando a criança.

O julgamento deveria ter começado em maio de 2016, mas precisamente a tradução, nas notificações, atrasou o processo.

Agora, a tradução da acusação refere que os arguidos foram “condenados à pena de morte”, avança a Lusa. Os pais ficaram abalados.

“A notificação provocou-lhes profundo mau estar, porque, se em Portugal não existe pena de morte, e qualquer cidadão percebe que se trata de um lapso, o mesmo não acontece na República Popular da China”, refere o requerimento, a que aquela agência noticiosa teve acesso.

“A referida acusação, entre dezenas de outros erros, refere que já existiu efetivamente sentença, a qual pune os arguidos com pena de morte”, pode ler-se no mesmo requerimento.

11Shares

Mais partilhadas da semana

Subir