Local

O relato arrepiante da morte do menino preso na piscina

Os pais do menino belga de 6 anos que morreu após ter ficado preso numa piscina, em Azeitão, partilharam os detalhes da história.

O relato é feito num comunicado que Michael Wanzeele, o pai do menor, publicou nas redes sociais.

O filho, Vic, morreu na segunda-feira, no Hospital de Dona Estefânia, para onde foi transportado após ter ficado preso no ralo de sucção da piscina da casa onde a família se encontrava de férias.

De acordo com o pai, a chamada para o número de emergência foi transferida “cinco vezes” até chegar a um operador que falasse inglês.

O relato é arrepiante.

“Ligámos para o 112, fomos transferidos cinco vezes até chegarmos a alguém que soubesse inglês”, denunciou.

“Enquanto Joris e Vic estavam a mergulhar, Joris apercebeu-se que Vic tinha ficado preso num buraco no fundo da piscina, na parte mais funda, com pelo menos 1m90 de profundidade”, relatou o pai.

“Imediatamente, todos nós saltámos para a água para o ajudar, mas foi impossível libertá-lo. Tentámos e tentámos repetidamente (nas primeiras tentativas, ele ainda estava vivo e a mexer-se, tentando libertar-se)…”

Michael Wanzeele reconheceu que entrou “em pânico” quando se apercebeu que não ia conseguir libertar o filho.

“Mas continuámos a tentar”, acrescentou.

“Vim para a rua, descalço, para que os serviços de emergência soubessem onde era. Chegaram primeiro os bombeiros e dois deles tentaram puxá-lo, mas sem sucesso”, continua o relato.

Foi necessário procurar a casa das máquinas da piscina e dois bombeiros tiveram de arrombar a porta para conseguirem aceder e desligar o sistema de filtragem da água.

“O Vic esteve dentro de água entre 15 a 20 minutos”.

Num momento de luto e grande dor, a família do menino belga agradeceu a resposta do pessoal do Hospital de Dona Estefânia.

“Foi imediatamente rodeado dos melhores cuidados e do amor da equipa da unidade de cuidados intensivos pediátrica. Era evidente que as lesões eram graves, mas prometerem fazer tudo o que pudessem… só que ele não resistiu”.

Alertando que “o filtro devia estar tapado”, o pai de Vic justificou a divulgação do comunicado: “Queremos ter a certeza de que isto vai ser investigado e que serão tomadas medidas para evitar que esta tragédia aconteça a outra família”.

Um comunicado que, na parte final, relata uma dor impossível de expressar em palavras: “No sábado, tudo apontava para que estivesse em morte cerebral. Na manhã de domingo, morreu pela segunda vez, nos nossos braços”.

6013Shares

Mais partilhadas da semana

Subir