Justiça

Revelado interrogatório de Bruno de Carvalho

A RTP, no programa ‘Sexta às 9’, divulgou esta sexta-feira o interrogatório de Bruno de Carvalho ao juiz de instrução do Barreiro. O ex-presidente do Sporting rejeita responsabilidades no ataque a academia e aponta o dedo a jogadores, Jorge Jesus e jornalistas.

Bruno de Carvalho foi ouvido cerca de duas horas e, sublinha, não teve qualquer responsabilidade sobre o ataque à Academia.

“O portão não é fechado porque os senhores jornalistas pediram ao senhor, por amor de Deus, para mão fechar para poderem entrar. Moral da história: quando o senhor queria fechar, já não dava”, afirmou.

De acordo com o interrogatório, divulgado pelo ‘Sexta às 9’ e citado pelo jornal Record, Bruno de Carvalho referiu que houveram “duas medidas de segurança desativadas no início da época” sem a sua autorização.

“As duas portas de vidro em que tínhamos de passar um cartão. A pedido de Jorge Jesus, não retiraram o aparelho mas desconectaram-no. Se reagi? Só me apercebi quando isto aconteceu, pois normalmente era o meu motorista que saía e me abria a porta do carro”, contou.

Sobre os invasores, Bruno de Carvalho condenou especificamente a agressão a Bas Dost, falando numa “destruição da sua vida”.

“Para eles é uma medalha, para mim foi a destruição da minha vida. Partir a cabeça ao goleador do Sporting quando estávamos na véspera de um jogo… Tudo menos o Bas Dost”.

O antigo presidente referiu ainda que William Carvalho e Rui Patrício almoçavam regularmente com elementos da Juventude Leonina e que a claque entrou em Alcochete, antes do dia do ataque, com a permissão de Jorge Jesus.

“O Rui Patrício e o William queriam sair. Tinham almoços e jantares regulares com a Juve Leo. Portanto, não eram santos e uma vez o Jesus quis ir jantar com a Juve Leo. Tirando a festa de Natal ou de aniversário, nunca fui jantar com claque nenhuma. A única vez que entraram na Academia foi o Jesus que deixou. Eu não deixei e disse ao Jesus que ele não mandava nada”, afirmou.

Bruno de Carvalho negou ainda que as conversas que lhe são imputadas estão relacionadas com o ataque a Alcochete.

“Não, teria de ser uma pessoa desequilibrada e os meus 46 anos de vida não deixam dúvidas que sou uma pessoa equilibrada”.

No interrogatório, divulgado pela RTP, o ex-presidente do Sporting conta também que não notou qualquer sinal de agressão em Jorge Jesus.

“Estive no balneário do treinador e digo-lhe que deve ter sido uma vergastada muito levezinha, pois o Jesus não tinha mazela nenhuma. Falou da camisola do Mário Monteiro, não pode ter recebido com tocha no peito, nem um furinho tinha na camisola”, atirou.

Mais partilhadas da semana

Subir