Motores

Norbert Michelisz espera “estar mais forte em Macau”

Norbert Michelisz aborda a penúltima prova da Taça do Mundo de Carros de Turismo (WTCR) com otimismo, esperando estar ainda mais forte do que em Suzuka.

Na pista japonesa o húngaro venceu a segunda corrida, pontuando nos três confrontos da prova nipónica do WTCR, com o 13º posto no primeiro e o nono no terceiro.

Pontuar tem sido essencial para estar na luta pelo título, mas Michelisz quer ser mais forte no Circuito da Guia: “Marquei pontos nas últimas três corridas. Quando disputamos este campeonato sabemos que nem sempre temos o melhor conjunto, mas acho que tenho tirado o máximo partido do que tenho”.

O piloto do Hyundai i30 N # 5 sabe que a prova do próximo fim de semana não será fácil, mas acredita que pode ter uma melhor prestação do que em Suzuka: “Espero estar forte em Macau, por isso estou ansioso por essa prova. Não interessa quem lidera agora. O meu objetivo é manter-me perto. Ok, gostaria de liderar, mas penso que vai ser um fim de semana positivo para nós”.

‘Norby’ saiu do Japão a seis pontos do líder do campeonato, mas o conjunto de resultados que conseguiu transmitem-lhe confiança. “Ganhar quatro corridas é uma boa sensação, mas no final da época que tivesse a escolher ganhar o campeonato ou ganhar muitas corridas eu não hesitaria em optar pelo campeonato”, diz o piloto magiar.

Michesliz explica-se melhor: “Não me percebam mal; em qualquer situação em que precise de ganhar faço-o, porque há uma diferença entre ser primeiro e segundo, mas também é preciso ser inteligente e gerir as oportunidades”.

“Estou contente com quatro vitórias e espero conseguir mais uma ou duas até ao final da época, mas para mim o principal objetivo é ganhar o campeonato”, reitera o titular do Hyundai # 5.

Norbert Michelisz não tem dúvidas que Macau não será um ‘palco’ fácil para fazer a diferença para o seu maior adversário no campeonato, Esteban Guerrieri, pois lembra: “Para mim é, para além do Nordeschleife, um dos mais difíceis circuitos do mundo. Ok, é mais pequeno que Nurburgring, mas há há curvas que fazemos a 230 km/h com muros de betão na saída e tem de se correr grandes riscos para se ser rápido”.

“Sempre gostei de lá ir. Um sítio muito agradável, um bom ambiente, uma pista fantástica e uma luta intensa pelo título. Espero que Macau seja muito importante na luta pelo campeonato”, remata o piloto húngaro.

1Shares

Mais partilhadas da semana

Subir