Motores

No país da muita terra e pouco ar

Depois do frio e da neve das duas primeiras provas do campeonato do mundo de ralis (WRC), a equipa Citroën aborda o Rali do México com renovada ambição. É a primeira prova do C3 WRC em terra e Kris Meeke e Stéphane Lefebvre esperam conseguir resultados mais positivos que os obtidos em Monte Carlo e na Suécia.

Para além de ser a estreia do Citroën C3 WRC em pisos de gravilha, também se trata de uma prova disputada normalmente sob intenso calor e a grandes altitudes, sendo por isso um enorme teste para o carro francês e para os seus pilotos.

Mas a prova centro americana também é a menos conhecida de Meeke e de Lefebvre, pelo que será importante ganhar cumprir quilómetros e adaptar-se o mais possível às condições únicas deste evento.

“O México é um dos ralis que menos conheço, mas é uma prova de que gosto. Penso que fizemos progressos nos testes, pelo que estou ansioso por tirar isso a limpo, em condições reais de competição. Apesar da perda de potência, será na mesma um prazer conduzir os nossos carros, pois vamos estar mais ou menos ao mesmo nível dos WRC do ano passado”, avalia Kris Meeke

“Temos de ser cautelosos na dose de agressividade ao volante, para evitar perdas de tempo. Por outro lado, estou contente por ir à Cidade do México para a Super Especial. A julgar pelo ambiente no Grande Prémio de Fórmula 1, vai ser um acontecimento muito especial num local muito simbólico. Pelo sim, pelo não, vou levar o meu smoking em honra do 007”, refere ainda o britânico.

O Rali do México desenrola-se na região de Léon, onde os habitantes passaram rapidamente de meros curiosos a grandes fãs do WRC, pelo que as equipas são agora recebidas como heróis.

Mas característica mais importante da prova mexicana tem a ver com o piso e com o percurso que (e)leva pilotos e máquinas a andar por locais entre os 1800 e os 2700 metros acima do nível do mar.

Aaltitude é o fator que traz mais preocupações aos engenheiros. O ar rarefeirto que por aí se respira, origina uma falta de oxigénio que tem efeitos adversos, tanto na potência dos motores como na refrigeração dos diversos componentes.

Mais partilhadas da semana

Subir