Fórmula 1

Nico Hulkenberg ‘apontado’ à Haas

O anúncio de que Esteban Ocon para substituto de Nico Hulkenberg na Renault em 2020 fez agitar novamente a ‘silly season’ da Fórmula 1, com o alemão a ser ‘apontado’ a várias equipas.

Entre as formações possíveis para o germânico foi indicada a Red Bull. No entanto parecem existir outras hipóteses e o lugar de Romain Grosjean na Haas é uma delas.

Gunther Steiner já admitiu – ainda que por ‘meias-palavras’ – que Hulkenberg e o francês eram os únicos candidatos a serem companheiros de equipa de Kevin Magnussen na próxima temporada.

Inicialmente o italiano de ascendência austríaca não queria falar do seu duo de pilotos para 2020 no Grande Prémio de Itália, mas depois o diretor da Haas lá consagrou algum tempo para o assunto em pleno ‘paddock’ de Monza.

Steiner referiu que três pilotos estavam na ‘calha’ para serem companheiros de Magnussen no próximo ano, entre eles Grosjean, mas também Hulkenberg e Ocon. Este, horas mais tarde foi anunciado na Renault e certamente passou a ser ‘carta fora do baralho’.

A hipótese Nico Hulkenberg na Haas começou então a ganhar forma, ainda que o chefe da Haas tenha aproveitado para recorrer um pouco à ironia: “Se vos dei três nomes na semana anterior, entretanto quais vos parece que restam?”.

Mas Gunther Steiner deixou claro que não tem qualquer pressa em anunciar a sua dupla de pilotos para a próxima época, pois sabe que contará sempre com nomes experientes para a tarefa.

“Não há qualquer sentimento de urgência ou sensação de desespero na equipa. O mercado de transferências está relativamente calmo esta época. Conhecemos todos os dados. É difícil de saber qual é a melhor opção para a equipa”, salientou o italiano.

Steiner frisa no entanto: “Conhecemos bem Romain, ele tem este vinculo com a equipa. Sabemos qual é o nível de Hulkenberg. A questão é de saber qual o que corresponde melhor ao que a equipa precisa para progredir nos próximos anos. Não estamos mais a analisar o resultado dos pilotos corrida após corrida”.

O chefe da Haas sabe também que o dono da equipa não irá partilhar a mesma análise que faz da situação neste momento, e diz que se a escolha fosse fácil já tinha sido tomada, ainda que admita que o consenso com Gene Haas é algo que acontece de forma muito rápida.

“Gene pode dizer-me o que fazer. Ele tem esse privilégio já que financia a equipa, mas ele também respeita e aprecia a minha opinião. O que temos atualmente não é mau. Será que podemos ter melhor? E quais os riscos que somos capazes de correr para o conseguir? Estas são questões permentes”, afirmou ainda Gunther Steiner.

1Shares

Mais partilhadas da semana

Subir