Nas Notícias

Na sua “lata de sardinhas”, o Papa não se reconhece, porque não pode “dar amor”

papamota 210 Numa “lata de sardinhas de vidro”, como chamou hoje ao seu papamóvel, o Papa Francisco não se sente capaz de “dar amor”. O líder da Igreja Católica até reconhece que corre perigo em sair daquele vidro à prova de bala. Mas o Papa diz que, aos 77 anos, tem pouco a perder… É o destaque dos nossos recortes de imprensa.

O Sumo Pontífice não aprecia o seu papamóvel e fez questão de o revelar numa entrevista que concedeu ao jornal italiano Vanguardia.

Apesar de reconhecer que fora do veículo e do vidro à prova de bala correr mais perigo, o Papa Francisco promete que vai continuar a sair do papamóvel e a tocar e abraçar as pessoas.

“Não posso dizer às pessoas que as amo dentro de uma lata de sardinhas, mesmo que seja em vidro. Não poderei saudar as pessoas”, afirmou o Papa, àquele jornal transalpino.

Por diversas vezes, o Papa Francisco abandonou o veículo para saudar as pessoas que o saúdam.

E repete vezes sem fim um movimento: deixar o veículo para saudar os fiéis.

E Francisco, que conta 77 anos de idade, não tem receio de sair da zona de proteção que o papamóvel representa.

Coloca em risco a sua segurança, porque, segundo diz, na sua idade tem “pouco a perder”.

Esta notícia do Papa Francisco é um dos destaques deste dia 13 de junho, uma sexta-feira 13, de azar…

O medo do dia 13 quando calha a uma sexta-feira é um dos mais comuns e mediatizados. E, hoje, é um desses dias…

Não há uma explicação única para esta superstição popular, mas há muitas versões a coincidir em vários aspetos.

A principal tem por base o número, 13, considerado de azar.

Isto porque sucede ao 12, um número que significa que algo ficou completo: por exemplo, os meses do ano, os signos do zodíaco, os apóstolos de Jesus.

É dos tempos de Jesus que vem outra das explicações: na última ceia, havia 13 pessoas à mesa, sendo que Cristo foi crucificado na sexta-feira seguinte. De acordo com o calendário hebraico, seria um dia 13…

Uma outra explicação comum, cuja ocorrência está historicamente provada, ocorreu a 13 de outubro de 1307.

Nessa data, o rei de França, Filipe IV, declarou ilegal a Ordem dos Templários e mandou torturar e executar os templários.

Recear uma sexta-feira 13, mesmo sem uma razão concreta, é relativamente comum. Menos normal é o medo irracional e incomum de uma sexta-feira 13: é uma fobia que tem por nome frigatriscaidecafobia. Leia mais.

As histórias do Papa Francisco e das origens de sexta-feira 13 cruzam-se no dia em que um homem teve sorte, numa luta com um tubarão… Veja o vídeo.

Em destaque

Subir