Mundo

Multidão invade ruas de Argel para exigir queda do regime

Uma maré humana varreu as ruas do centro de Argel na sexta-feira, exigindo uma nova “independência” da Argélia, 65 anos após o início da luta armada contra o colonizador francês.

A ausência de contagem oficial e a topografia das ruas impossibilita a contagem dos manifestantes, mas nesta 37.ª sexta-feira consecutiva de manifestações, a mobilização é semelhante à observada no auge do “Hirak”, o movimento de protesto sem precedentes de que a Argélia é palco desde 22 de fevereiro.

As ruas ao redor da Grande Poste, edifício emblemático do coração de Argel, foram o ponto de encontro para eventos semanais, são escuras e ressoam com ‘slogans’ como “A Argélia quer a sua independência”, “o povo quer a sua independência” ou “vocês venderam o país, ó traidores”, endereçado aos líderes argelinos.

A 01 de novembro de 1954, a recém-criada Frente de Libertação Nacional (FLN) desencadeou a “Revolução Argélia” e a luta armada pela independência, com uma série de ataques simultâneos ao território argelino.

Decretado como “Festa da Revolução”, 1.º de novembro é feriado na Argélia.

Menos forte durante o Verão, devido ao calor e às férias escolares, a mobilização contra o “sistema” no poder recomeçou no início do ano letivo e continua a crescer.

A mobilização na sexta-feira foi uma grande contestação do Presidente Abdelkader Bensalah, que recentemente disse que o movimento de protesto estava limitado a “alguns elementos nas ruas”.

E também para o general Ahmed Gaïd Salah, o homem forte do país desde a renúncia do Presidente Abdelaziz Bouteflika, sob a pressão das ruas, em abril passado.

Muitos manifestantes vieram de outras regiões do país, respondendo aos apelos lançados nas redes sociais, para “invadir a capital” 65 anos após o 1.º de novembro de 1954.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir