Motores

Muitos percalços afastam João Dias e Pedro Carvalho do pódio na Baja do Pinhal

João Dias e Pedro Carvalho estiveram em plano de evidência na competição SSV da Baja TT do Pinhal, conseguindo a quinta e sétima posições da classificação final e no quarto e quinto postos da classe Open do Troféu Can-Am Maverick.

Os dois pilotos da SGS Car, que ocuparam posições na prova inaugural do campeonato, em Góis, iniciaram da melhor maneira a prova da Escuderia de Castelo Branco, ao conseguirem as duas melhores marcas no prólogo.

No sábado, e abrindo a pista, João Dias e Pedro Carvalho realizaram o quarto e o quinto tempos no setor seletivo de 191 quilómetros, com seis segundos a separá-los. Uma penalização de 10 minutos a Dias acabaria por relegá-lo para o 14º posto.

“Esta prova não começou nada bem para nós. Tive duas pessoas na assistência a controlar os dois minutos. A organização atribuiu-me uma penalização de 10 minutos porque refere que arranquei 10 segundos antes do que era devido. Tenho a certeza eu nada fiz de errado, teremos que começar a gravar as paragens para não voltarmos a ser prejudicados” refere João Dias.

No final do segundo dia de prova teve lugar uma City Stage onde Pedro Carvalho – que foi acompanhado por André Guerreiro – voltou a fazer o melhor tempo enquanto que João Dias regista a quinta posição.

João Dias atacou fortíssimo na especial que se disputou no Domingo e apesar dos contratempos registados no dia anterior, consegue terminar esta dura e exigente prova na quinta posição absoluta depois de uma recuperação de nove posições.

“No último dia arrancámos focados em recuperar os 10 minutos de penalização. O terreno estava muito duro e sabíamos que tínhamos de arriscar. Ao quilómetro 50 já íamos a ganhar 4m30s ao líder da prova, o Pedro Santinho Mendes, só que depois tive um problema eletrónico. Tive de desligar o carro por diversas vezes até ao final da prova. Não deu para o pódio, mas deu para o quinto lugar, o que é bom em termos de Campeonato”, salientou João dias

Alguns contratempos condicionaram o andamento de Pedro Carvalho no decorrer do troço de domingo. Embora tenha ficado aquém do objetivo traçado para esta jornada, terminou a corrida na sétima posição geral e no quinto posto do Troféu Can-Am Open.

“A prova começou bem. Ganhámos o prólogo. Conquistámos uma ótima posição. No primeiro dia tivemos um pequeno problema com uma ‘baquet’ que nos fez perder ali algum tempo, mas nada de significativo. Seguíamos em quarto. Ganhámos a City Stage o que é muito motivador”, contou o piloto da SGS Car.

Pedro Carvalho salienta também o percalço do último dia: “Partiu-se uma correia ao quilómetro 40. Depois e antes da primeira assistência, perdemo-nos. Com o vento a fita amarela tapou a indicação do caminho para onde devíamos seguir. Andámos em sentido contrário. Perdemos ali sete ou oito minutos, numa zona onde era obrigatório ter um caminheiro, foi uma situação muito perigosa com vários concorrentes a encontrarem-se de frente. Aliás foram muitos os sítios com falta de caminheiros. Depois partiu-se outra correia, o que me fez passar em 12º no CP5. Terminei em sétimo”.

Mais partilhadas da semana

Subir