África

Moçambique/ataques: OIM oferece ajuda a Filipe Nyusi para “prevenir radicalização”

O diretor-geral da Organização Internacional das Migrações (OIM) disponibilizou-se hoje para ajudar o Presidente de Moçambique no combate aos ataques armados no norte do país.

“Expressei a minha disponibilidade para apoiar o Governo de Moçambique naquilo que achar necessário fazer para prevenir a radicalização e o extremismo violento que pode ocorrer nalguma zona do território”, referiu António Vitorino.

O líder do organismo da Organização das Nações Unidas (ONU) falava hoje em conferência de imprensa, em Maputo, no decorrer de uma vista a Moçambique, para se inteirar do apoio prestado a deslocados na sequência dos ciclones do início do ano.

A ação humanitária fez parte da agenda de uma reunião com o presidente moçambicano, Filipe Nyusi, assim como os ataques em Cabo Delgado.

“A OIM tem um experiência em muitos países de lidar com situações de violência e extremismo radical”, por forma a “garantir estabilidade das comunidades”, acrescentou Vitorino aos jornalistas.

O diretor-geral da OIM não entrou em detalhes sobre a situação que, de acordo com os relatos da população e comunicação social, já terá provocado alguns milhares de deslocados nos últimos dois anos.

De acordo com os números recolhidos pela Lusa, a onda de violência em Cabo Delgado desde 2017 já terá provocado a morte de cerca de 200 pessoas, entre residentes, supostos agressores e elementos das forças de segurança.

Os ataques ocorrem na região onde decorrem obras para exploração de gás natural nos próximos anos.

O grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico anunciou pela primeira vez, em junho, estar associado a um dos ataques.

Mais partilhadas da semana

Subir