Educação

Ministro da Educação diz que a greve dos professores é um direito constitucional

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, disse hoje, em Lisboa, que encara com naturalidade a greve dos professores, em respeito pelo direito constitucional que representa.

“Estava marcada há várias semanas, eu diria há meses, pelas organizações sindicais. Nós respeitamos o direito à greve”, afirmou o ministro quando questionado pelos jornalistas à margem da apresentação da Missão de Portugal aos Jogos Olímpicos da Juventude 2018, na Casa da América Latina.

Escusando-se a comentar a dimensão da insatisfação manifestada pelos professores, Tiago Brandão Rodrigues respondeu: “O direito à greve é um direito constitucional”.

Frisou, no entanto, que esteve e continuará disponível para dialogar com as organizações representativas dos professores.

“Fomos até acusados de reunirmos de forma reiterada com os sindicatos”, declarou, considerando que no passado “não havia esse hábito”.

“Fizemo-lo porque entendemos que a concertação social é positiva e assim continuaremos a fazer, com a normalidade e a tranquilidade que traz à vida democrática e também das nossas escolas”, concluiu.

Os professores cumpriram hoje o segundo dia de uma greve desencadeada por 10 organizações sindicais e que decorre faseadamente, por regiões.

Hoje abrangeu o Alentejo e o Algarve, com uma adesão estimada em 80 por cento, de acordo com dados divulgados pelos sindicatos.

Os docentes exigem que nove anos, quatro meses e dois dias de trabalho sejam contabilizados na progressão de carreira, após um período de congelamento, e que sejam solucionadas questões relativas à aposentação, aos horários e à precariedade que atinge a profissão.

Mais partilhadas da semana

Subir