Nas Notícias

Ministério Público pede mais de 20 anos para Rosa Grilo e António Joaquim

O Ministério Público (MP) pediu hoje no Tribunal de Loures penas acima dos vinte anos de prisão para Rosa Grilo e António Joaquim, acusados da morte do triatleta Luís Grilo, marido da arguida.

Nas alegações finais do julgamento, o procurador do MP, Raul Farias, defendeu perante o tribunal de júri penas acima dos 20 anos e meio de cadeia para os arguidos, sustentando que ambos planearam, delinearam e executaram um plano com vista a matar a vítima.

O procurador admitiu que não há provas periciais nem testemunhais contra António Joaquim, sustentando, no entanto, que foi o arguido quem efetuou o único disparo que matou Luís Grilo, quando este se encontrava na sua casa nas Cachoeiras, concelho de vila Franca de Xira, na madrugada de 16 de julho de 2018, baseando-se apenas nas declarações da arguida Rosa Grilo.

O procurador justifica esta conclusão com o facto de a arguida “não saber disparar” uma arma e também por “desconhecer como é que o marido foi morto”, pois esta afirmou ter ouvido dois tiros quando a autópsia confirma que Luís Grilo foi morto com um disparo apenas.

14Shares

Mais partilhadas da semana

Subir