Nas Notícias

Ministério Público pede caução como medida preventiva no caso Lex

O Ministério Público deverá pedir termo de identidade e residência (TIR) para todos os cinco arguidos detidos no âmbito da operação Lex e que foram alvo de interrogatório no Supremo Tribunal de Justiça (STJ), adianta a TVI 24.

Também entre as medidas, que o Ministério Pública espera que sejam aplicadas, está a proibição de contacto entre os arguidos e caução de 15 mil euros aos arguidos Jorge Barroso e Octávio Teixeira.

As medidas de coação devem ser conhecidas ainda nesta sexta-feira.

Os primeiros interrogatórios judiciais têm decorrido no Supremo Tribunal de Justiça, visto que no caso Lex recaem suspeitas, entre outros, sobre dois juízes desembargadores que foram, nesta sexta-feira, suspensos de funções.

Rui Rangel e Fátima Galante devem ser ouvidos no STJ nos dias 8 e 9 de fevereiro.

Este processo tem, para já, 13 arguidos, sendo que os mais mediáticos são Luís Filipe Vieira (presidente do Benfica) e os juízes desembargadores Rui Rangel e Fátima Galante.

O caso Lex, que abalou o país na passada terça-feira, com uma série de buscas domiciliárias mas não só, está a ser dirigido pelo juiz conselheiro Pires da Graça.

A operação Lex é uma investigação sobre suspeitas de corrupção, recebimento indevido de vantagem, branqueamento de capitais, tráfico de influências e fraude fiscal.

0Shares

Em destaque

Subir