Motociclismo

Miguel Oliveira dececionado mas pneu traseiro da KTM não permitiu pontuar

Miguel Oliveira teve uma estreia agridoce no MotoGP. Se por um lado realizou uma prova a todos os títulos surpreendente no Qatar, que lhe permitiu rodar nos pontos durante grande parte da corrida, por outro acabou fora do top 15, resultado de o dececionou.

Aos comandos da KTM # 88 o piloto português experimentou diversas sensações, desde rodar na 18ª posição no final do primeiro setor do Circuito de Losail, a ocupar a 13ª posição e ser o melhor representante da marca austríaca a dada altura da corrida.

Contudo para o final o pneu traseiro da sua moto começou a vibrar demasiado e Miguel não conseguiu ‘segurar’ atrás de si Pol Espargaro, Jorge Lorenzo, Andrea Iannone e Johann Zarco, acabando numa 17ª posição que não espelha a sua exibição.

“A corrida foi bastante interessante. O motor parou em plena grelha e por isso tive de voltar ao ‘pit-lane’, recomeçar a moto e começar da última posição. De qualquer modo isso não afetou a minha corrida. Tive um bom começo, realizei uma primeira boa volta”, começa por contar o piloto de Almada.

Miguel Oliveira recorda também: “Depois tentei acompanhar o pequeno grupo do Aleix Espargaro e do Taka Nakagami. E depois de sete, oito voltas senti uma grande queda dos pneus. A moto deslizava com a vibração na traseira. Nessa altura, sinceramente, pensei que o pneu ia explodir”.

“Não podia fazer muito mais. Estou dececionado porque sabia que podia ter terminado nos pontos e isso não aconteceu. Foi muito difícil de gerir. Mas de qualquer forma sinto-me feliz por ter terminado a corrida. Diverti-me muito e recolhi boas informações. Agora é pensar na próxima prova”, acrescentou o piloto português após a prova.

36Shares

Mais partilhadas da semana

Subir