Mundo

Metade dos imigrantes ilegais na Europa vivia em 2017 na Alemanha e Reino Unido

Os imigrantes ilegais a residir na Europa em 2017 eram pelo menos 3,9 milhões, o que corresponde a menos de 1 por cento da população, e metade deles vivia na Alemanha e no Reino Unido, segundo um estudo publicado hoje.

Realizado pelo Pew Research Center, um centro de estudos sociais norte-americano, o estudo concluiu que em 2017 havia na Europa entre 3,9 milhões e 4,8 milhões de imigrantes sem documentos, menos que os 4,1 a 5,3 milhões registados em 2016, ano da crise de refugiados.

A crise de 2015-2016 desencadeou fatores que o estudo aponta como causas do decréscimo de ilegais: o encerramento da rota dos Balcãs por vários países da Europa Central, o acordo entre a União Europeia (UE) e a Turquia para impedir os migrantes de entrar em território europeu e a concessão de asilo, sobretudo pela Alemanha, a centenas de milhares de refugiados sírios, iraquianos e afegãos.

As conclusões do estudo baseiam-se em dados estatísticos dos 28 Estados-membros da UE e ainda da Noruega, Suíça, Islândia e Liechtenstein.

No total, os indocumentados na Europa representam à volta de 1 por cento da população europeia (500 milhões), menos de metade que nos Estados Unidos, onde os imigrantes sem papéis representam cerca de 3 por cento da população (325 milhões).

O Pew Research Center define “imigrantes não-autorizados” como pessoas que vivem num país sem ter cidadania nem autorização de residência.

O termo abarca também as pessoas que aguardam resposta a pedidos de asilo, porque a taxa de recusa deste tipo de pedidos é elevada, e as crianças filhas de imigrantes ilegais, porque a maioria dos países europeus não reconhece o direito à cidadania por nascimento.

Os imigrantes ilegais na Europa são principalmente oriundos da região da Ásia-Pacífico (33 por cento), incluindo Afeganistão e Paquistão, de países europeus que não os estudados (23 por cento), incluindo a Rússia e a Turquia, do Médio Oriente e Norte de África (21 por cento), da África Subsaariana (17 por cento) e do continente americano (8 por cento).

Cerca de metade vivem na Alemanha e no Reino Unido, seguindo-se, como principais países de acolhimento, Itália e França.

Juntos, estes quatro países acolhem 70 por cento dos imigrantes indocumentados na Europa: 1 milhão a 1,2 milhões na Alemanha, 800 mil a 1 milhão no Reino Unido, 500 mil a 700 mil em Itália e 300 mil a 400 mil em França.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir