Fórmula 1

Mercedes forçada a modificar a ‘asa’ dianteira dos seus F1 em Xangai

A Mercedes teve de modificar a nova ‘asa’ dianteira dos seus monolugares antes do primeiro treino do Grande Prémio da China de Fórmula 1, já que se verificou que ela não cumpria os regulamentos.

O apêndice aerodinâmico do monolugar de Brackley que surgiu na quinta-feira possuía um acrescento destinado, segundo a equipa, a fortalecer o efeito do mesmo, mas as regras técnicas proíbem-o, dizendo que esses perfis têm de ter uma aleta final lisa.

A interpretação das novas regras criou uma possível zona cinzenta que a Mercedes tentou explorar, e que a Red Bull também já tentou fazê-lo esta temporada, utilizando um pequeno elemento de conjugação com um pequeno defletor retangular, que a FIA também exigiu que fosse retirado.

Ao proibir estes ‘acrescentos, a Federação Internacional também pretende evitar furos provocados por danos nas ‘asas’ dianteiras. Pelo que depois da Mercedes reverter a situação a FIA deu a sua aprovação aos monolugares de Lewis Hamilton e Valtteri Bottas para participarem nos treinos desta sexta-feira.

No esquema da segunda foto se percebe como foi alterada a ‘asa’ da Mercedes e que a mesma tem de ter uma grossura mínima de 10 milímetros e 5 milímetros de raio na extremidade dianteira. Adicionalmente, 50 milímetros da aleta da extremidade tem de ter uma construção específica em fibra de carbono.

E a Mercedes modificou a sua construção para um compósito de carbono, visível já é de cor diferente para uma textura mais leve do que o resto da aleta. Para 2020 a FIA vai introduzir mais mudanças no detalhe desta área do carro, com a proibição de quaisquer inserções de metais na frente da aleta da extremidade da ‘asa’.

Mais partilhadas da semana

Subir