Mundo

Mercado no Afeganistão alvo de atentado: 89 mortos confirmados

atentado no afegaPelo menos 89 pessoas morreram, hoje, na sequência de um atentado suicida num mercado do Afeganistão. A polícia tinha sido alertada e procurava um carro armadilhado quando se deu a explosão. Os talibãs negaram serem os autores do atentado.

A explosão de um carro armadilhado junto a um mercado na província de Paktika, no leste do Afeganistão, provocou pelo menos 89 mortos, mas os dados ainda serão atualizados.

“O número de vítimas pode aumentar”, admitiu o general Zahir Azimi, porta-voz do Ministério da Defesa afegão.

Na altura do incidente, o mercado encontrava-se lotado, pelo que houve centenas de feridos.

“Neste momento, a polícia está a transportar todos os feridos para os hospitais”, complementou Nissar Ahmad Abdulrahimzai, vice-diretor da polícia local, citado pela Reuters.

O mesmo oficial salientou que as autoridades enviaram para o local helicópteros e ambulâncias desde a capital da província, Sharan.

De acordo com o balanço mais recente, pelo menos 42 feridos foram transferidos para unidades hospitalares.

Muitas das vítimas estão ainda sob os escombros, como lembrou Mohammad Reza Kharoti, chefe administrativo do distrito de Urgun: “foi um ataque suicida brutal contra civis pobres. Não há nenhuma base militar nas proximidades”.

Mais de 20 lojas e muitas dezenas de veículos foram afetados pelo atentado. “A explosão foi tão grande que destruiu muitas lojas”, revelou Mohammad Raza Kharoti, o governador do distrito.

A mesma fonte salientou que “dezenas de pessoas ficaram presas sob os telhados”, pelo que “o número de feridos vai aumentar para mais de 100 e o número de mutilados também vai subir”.

O vice-diretor da polícia, Abdulrahimzai, revelou que as autoridades tinham sido alertadas para a iminência do ataque, estando a procurar um carro armadilhado na altura da explosão.

Os talibãs já emitiram um comunicado a garantir que não foram os autores do atentado suicida: “condenamos energicamente os ataques contra a população local”.

Foi o primeiro atentado desde o acordo alcançado, no fim de semana, pelos dois candidatos à Presidência do país.

O local escolhido fica perto da fronteira com o Paquistão, para onde os talibãs têm recuado face ao avanço das tropas afegãs na região. 

Em destaque

Subir