Insólito

Menino pode morrer de ataque cardíaco se rir, brincar ou fizer exercício

bradley_burhouseUm menino de 7 anos não pode rir, brincar ou praticar exercício, sob pena de enfrentar riscos de ataque cardíaco. Bradley Burhouse tem um problema de saúde grave e o seu médico impediu-o de ‘ser criança’. É uma história de vida, som a sombra permanente da morte.

O pequeno Bradley tem apenas 7 anos, mas está proibido de ser criança, na plenitude dos direitos de uma pessoa com a sua idade. Devido a um problema cardíaco grave, que o leva a ter uma frequência cardíaca elevada, recebeu do seu médico uma prescrição invulgar: não pode rir, brincar, nem fazer qualquer tipo de exercício.

O coração de Bradley Burhouse bate entre 120 a 200 vezes por minuto, o que representa um ritmo duas vezes superior a um adulto durante o período de repouso. Perante este cenário, enfrenta um risco de ataque cardíaco elevado e tem de viver de forma diferente.

Caso não cumpra esta regra, pode morrer… E esta criança britânica já esteve perto dessa falência cardíaca, quando sofreu uma taquicardia ventricular quase fatal, enquanto brincava. Esta doença de que sofre resulta de sinais elétricos emitidos nos ventrículos, que aumentam a velocidade das contrações do músculo.

O coração bate em alta velocidade, de tal forma que os ventrículos não recebem a quantidade de sangue necessária, entre batimentos normais. O sangue é bombeado de forma descontrolada e a criança sente um mal estar permanente, como tonturas e dores no coração.

A doença não é caso único, mas sucede, normalmente, em adultos que tenham sofrido um Acidente Vascular Cerebral. No caso de crianças, uma intervenção cirúrgica é extremamente arriscada. Há uma esperança, neste caso em particular: a colocação de um aparelho que controla os batimentos… Enquanto não se aplica a solução, resta ao pequeno Bradley esperar até ser adulto para poder ser criança…

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir