Mundo

Médico escreve carta revoltada a pais que mataram a filha

Marco Vargas, médico num hospital pediátrico da Costa Rica, partilhou nas redes sociais a história de M., uma bebé de um ano e dois meses que não resistiu aos ferimentos infligidos pelos pais. “Ai, M., que o ser supremo te tenha recebido com todo o amor que esta terra te negou”, pode ler-se.

Pediatra no hospital da Costa Rica há decadas, Marco Vargas não escondeu a frustração por não ter conseguido salvar M., um bebé de um ano e dois meses que não resistiu aos ferimentos infligidos pela mãe e pelo padastro.

“A notícia é acompanhada por fúria. Profunda, sincera e devastadora fúria humana, aquela que não permite mais do que libertar uma maldição básica contra os que te magoaram, porque ao contrário de dos que costumamos salvar, M. tinha sido maltratada, torturada e ferida mortalmente de propósito”, escreveu o médico.

“Sempre chegamos ao sítio aonde nos esperam”, escreve Marco, citando Saramago. “Mas o que fez esta pequena? Não sei. (…) Dão-me nojo os que te fizeram tanto mal e peço, rogo e suplico que a tua dor não fique impune. Peço a tua vingança, porque embora não dê paz, marca o princípio do final da tua justiça”.

Vargas repudia completamente o “lado mais brutal, sujo e depravado do ser humano”, capaz de “desenvolver a conspiração da morte”, a conspiração “que todos os dias se coloca a bater, a não alimentar, a infligir medo e terror, a fazer mal, a quebrar e a enlouquecer um pequeno ser humano”.

“Quem te deu a mão no último momento? Em que o último vestígio da tua alma abandonava o teu corpo, que já estava tão maltratado que não podia albergar uma alma feliz”.

De acordo com a imprensa daquele país, a mãe e o padrasto da pequena alegaram que ela tinha caído quando a levaram ao hospital.

Apresentava golpes na cabeça e no rosto, e fraturas nas costelas, braços e pernas. Não resistiu aos ferimentos e acabou por morrer na passada segunda-feira.

Marco Vargas não estava presente nas urgências nesse dia. Os pais acabaram detidos. Marco terminou a carta com um pedido de desculpas por não ter consigo salvar M.

Perdón MEl mensaje no dejaba nada a la imaginación, …Acaba de fallecer M. Eran las 10:28, la noticia llega…

Publicado por Marco V Vargas Salas em Terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Mais partilhadas da semana

Subir