Mundo

Londres e UE estudam retomar à distância negociações do Brexit

O governo britânico e a equipa negociadora da União Europeia (UE) estão a estudar a hipótese de retomar as negociações pós-Brexit por vídeo ou teleconferência, na sequência do adiamento da ronda prevista para esta semana devido à pandemia do Covid-19.

 Um porta-voz do governo disse que, devido às diretivas em vigor de restrições de viagem, não é possível realizar a ronda de negociações prevista para começar na quarta-feira, mas que Londres espera partilhar um esboço de um texto para um acordo de comércio e outros textos legais “num futuro próximo”.

 “Ambas as partes permanecem totalmente empenhadas nas negociações e mantemos contacto regular com a Comissão Europeia para considerar formas alternativas de continuar as negociações, incluindo a possibilidade de videoconferência ou teleconferência, além de explorar a flexibilidade da estrutura [da agenda] nas próximas semanas”, indicou.

A primeira ronda das negociações sobre o futuro relacionamento entre o Reino Unido e a UE, na sequência da saída do país formalizada a 31 de janeiro, decorreu em Bruxelas entre 02 e 05 de março e a segunda ronda estava prevista para se realizar em Londres entre 18 e 20 de março.

 Estavam previstas novas rondas em abril e maio, alternando entre as duas cidades, envolvendo dezenas de pessoas em cada equipa até uma cimeira de líderes para avaliar o progresso em junho para avaliar o progresso e decidir uma extensão do período de transição, que termina a 31 de dezembro.

 Porém, o governo britânico reiterou hoje que não pretende pedir um prolongamento, pois aquela data “está consagrada na lei britânica”.

 O coronavírus responsável pela pandemia da Covid-19 infetou mais de 180 mil pessoas, das quais mais de 7.000 morreram.

 Depois da China, que regista a maioria dos casos, a Europa tornou-se o epicentro da pandemia, com mais 67 mil infetados e pelo menos 2.684 mortos.

 Face ao avanço da pandemia, vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Em destaque

Subir