Nas Notícias

Jovens portugueses deixam casa dos pais em média aos 29 anos

Os jovens portugueses são dos que mais tarde saem de casa dos pais, quase aos 29 anos, acima da média da União Europeia (UE 26), segundo dados de 2017 hoje divulgados pelo Eurostat.

O gabinete estatístico europeu destaca que em 2017 mais de um terço (35,3 por cento) de jovens do sexo masculino entre os 25 e os 34 anos viviam em casa dos pais em 2017, comparados com um quinto (21,7 por cento) de jovens do sexo feminino.

Esta tendência é acompanha por Portugal, com 50,8 por cento de jovens adultos a viverem com os pais em 2017, contra 40,5 por cento de jovens adultas.

Em média, uma em cada quatro pessoas entre os 25 e os 34 anos (28,5 por cento) vivia em casa dos pais em 2017, com Portugal a chegar aos 45,6 por cento.

A Croácia (31,8 anos em média), a Eslováquia (30,9 anos), Malta (30,7) e Itália (30,1) são os países onde os jovens vivem durante mais tempo em casa dos pais, ultrapassando a fasquia dos 30 anos, seguindo-se a Bulgária (29,6 anos), Espanha (29,5), Grécia (29,3) e Portugal (28,9).

No extremo oposto, a Suécia era em, 2017, o país onde os jovens mais cedo saiam de casa dos pais (18,5 anos), seguindo-se o Luxemburgo (20,1), a Dinamarca (21,1), a Finlândia (22,0), a Estónia (22,2), Alemanha, França e Holanda (23,7 cada) e o Reino Unido (24,7 anos).

A percentagem de jovens a viver em casa dos pais em 2017 variava entre os 3,2 por cento na Dinamarca e os 59,7 por cento na Croácia.

O gabinete estatístico europeu divulgou estes dados no âmbito do Dia Internacional das famílias, que se assinala na quarta-feira.

Mais partilhadas da semana

Subir