Motores

José Pedro Fontes pronto “para lutar pela vitória” na Madeira

É com uma renovada disposição de discutir as posições cimeiras que José Pedro Fontes aborda o 60º Rali Vinho da Madeira, que vai para estrada no próximo fim de semana.

Na prova do Club Sports da Madeira estão inscritos 19 carros da categoria R5, sendo o Citroën C3 R5 do piloto do Citroën Vodafone Team um deles.

Fotos: AIFA/Jorge Cunha

‘Zé Pedro’ volta a ter no banco da direita Inês Ponte, e juntos querem colocar um ponto final numa série de percalços que vêm conhecendo esta temporada: “Estamos prontos para lutar pela vitória neste 60º Rali Vinho Madeira. O que decorre de uma série de bons resultados que alcançámos nos testes que temos vindo a realizar e que demonstram que o nosso C3 R5 será uma das principais ‘máquinas’ a ter em conta na luta pelos melhores tempos nos troços deste rali e, consequentemente, no assalto ao primeiro lugar”.

Para o piloto do Porto “o C3 R5 é, claramente, um excelente automóvel de ralis, nomeadamente em asfalto, piso em que as suas prestações têm vindo a melhorar bastante”.

“Entretanto, para além das sessões de testes, também participámos no Rali Faial, prova do regional madeirense, de modo a experimentar e verificar os diferentes ‘set-ups’ que temos disponíveis para o carro, não procurando qualquer posição à geral mas sim a certeza de que poderíamos contar com um carro à nossa medida, para esta prova do CPR. Vamos agora comprovar essas opções na estrada, já a partir do próximo dia 1 de agosto”, sublinha José Pedro Fontes.

Recorde-se que no assado recente o piloto portuense alcançou um conjunto de excelentes resultados no Rali Vinho da Madeira, sendo o mais recente o primeiro lugar no ano passado entre os concorrentes do Campeonato de Portugal de Ralis (CPR) – sendo terceiro em termos absolutos.

Com o Citroën C3 R5 José Pedro Fontes também já saboreou o champanhe da vitória com Inês Ponte, a sua atual navegadora, destacando-se no primeiro lugar absoluto em 2016, com o então Citroën DS 3 R5 da equipa, somando-se um novo primeiro lugar entre as duplas do CPR na edição de 2014 e 2015.

“São edições de muito boa memória e que nos dão um alento adicional para a prova deste ano”, recorda o piloto do Porto, que espera encontrar “um rali difícil, não só pelas características muito específicas dos troços da Madeira, como pelo valor dos adversários com que nos iremos defrontar, quer do CPR, quer os locais madeirenses e demais estrangeiros inscritos, num total de 19 R5 e com a presença de todos os vencedores das últimas 10 edições da prova”, refere também.

“Este é um rali mais longo, com 19 troços e uma estrutura muito semelhante às dos últimos anos, o que nos dá um bom conhecimento dos troços, permitindo-nos colocar as nossas expectativas num plano elevado”, faz notar ainda o piloto do Porto.

A prova madeirense, que decorrerá de 1 a 3 de agosto, é composta de duas etapas e 19 classificativas, num total de 209,16 km cronometrados (850,54 km de percurso total).

Mais partilhadas da semana

Subir