Motores

José Pedro Fontes preparado para a estreia do Citroën C3 R5

José Pedro Fontes e Paulo Babo estão a dias da estreia aos comandos do novo Citroën C3 R5, o carro que vão competir a partir do Rali de Portugal.

A motivação é enorme para a dupla da Citroën Vodafone Ream, sobretudo porque se trata do segundo exemplar do C3 R5, juntando-se ao carro que é tripulado pelo francês Stéphane Lefebreve, piloto oficial da marca francesa. Isso significa que o ex-campeão nacional de ralis reforça a participação da Citroën no WRC2.

Fotos: AIFA

José Pedro Fontes já testou o novo carro, que recebeu recentemente, e está ansioso pelo início da prova portuguesa do Campeonato do Mundo de Ralis, que é também o ponto alto do Campeonato de Portugal da especialidade. Para o piloto do Porto trata-se de um novo capítulo na sua carreira, depois das boas provas dadas com o anterior DS3 R5.

Além disso, Zé Pedro não esquece o facto de que foi nesta prova que sofreu o acidente que o obrigou a uma pausa prolongada na competição, facto que quer deixar para trás: “É um regresso a uma prova de que gosto particularmente e que no ano passado me foi madrasta, provocando-me e à Inês Ponte sequelas físicas que nos impediram de atingir, em 2017, os objetivos a que nos tínhamos proposto. Mas isso é passado e o ponto alto da edição deste ano é a estreia do novo C3 R5 da equipa”.

Pelas indicações que o novo C3 R5 já lhe proporcionou, Fontes mostra-se confiante no novo carro: “É enorme a expectativa com que aguardamos o início do Rali de Portugal, onde vamos estrear um modelo em que a Citroën deposita enormes expectativas em termos de potencial, decorrentes dos excelentes resultados dos testes de desenvolvimento, que deixaram muito boas promessas”.

Com o C3 R5 e quase tudo é novo, mas o meu entrosamento a bordo com o Paulo está praticamente perfeito, pelo que estamos aptos para começar a explorar o potencial do novo carro. Nos testes que realizámos tudo correu na perfeição e, apesar de ainda não termos sentido o carro em competição direta com os nossos adversários, tudo aponta para que possamos fazer uma prova interessante, havendo um claro potencial para conseguirmos discutir o lugar de melhor equipa portuguesa, contribuindo, assim, para amelhar pontos suficientes que nos permitam manter a luta pelos títulos”, refere José Pedro Fontes.

O piloto do Porto está consciente de que se trata de uma prova longa “e exigente, muito diferente dos ralis de um dia do CPR, pelo que temos que fazer uma boa gestão entre o andamento e a poupança da viatura, mas isso só o conseguiremos fazer à medida em que nos formos ambientando às suas reacções que são fantásticas em terra, fruto das regulações específicas, de base, da Citroën Racing”.

Mais partilhadas da semana

Subir