Nas Notícias

Jerónimo diz que SNS está “sob fogo cerrado” e apela a “grande debate”

O secretário-geral do PCP afirmou hoje, em Alpiarça, que o Serviço Nacional de Saúde está “sob fogo cerrado”, com relatos diários de desgraças, desleixos e carências, “tudo a pensar em atingir o coração” deste sistema.

Jerónimo de Sousa falava no final de um almoço que reuniu perto de 300 pessoas no ginásio da coletividade Águias de Alpiarça (distrito de Santarém), inserido na campanha “Intervir, Lutar, Avançar”, que o partido tem em curso em todo o país.

“Vocês veem na televisão, não há dia nenhum em que não apareça uma desgraça, um desleixo, uma falta – de material, de equipamentos, de profissionais -, tudo a pensar em atingir o coração do Serviço Nacional de Saúde”, afirmou.

Para Jerónimo de Sousa, “este é um grande debate que está colocado – o de saber se o direito à saúde é um direito dos portugueses” ou se vinga “a tese de que a doença é a alma do negócio”.

Sublinhando que o PCP tem propostas pelas quais se vai bater também nesta área, o líder comunista advertiu que “basta o Governo não fazer nada” para o SNS ser destruído.

Reafirmando que o PCP só decidirá o seu sentido de voto no Orçamento do Estado para 2020 perante “o documento concreto”, o líder comunista advertiu que o Governo apenas poderá contar com o voto comunista no parlamento se tiver como primeira prioridade a resolução de problemas nacionais e não a preocupação das “contas certas de Bruxelas”.

Jerónimo de Sousa fez um “balanço da história recente” do partido, passado num “quadro de exigências muito grandes”, para afirmar que, apesar de o resultado obtido nas legislativas de outubro não ter correspondido às expectativas, o partido “esteve à altura” para derrotar as “forças reacionárias” e para “deitar por terra” os “vaticínios” dos que, com rancor e ódio, chegaram a afirmar que iria desaparecer.

“Estes cangalheiros fazem os vaticínios permanentemente errados. Andam há décadas nisto, a anunciar a morte. Nunca encontram é o morto para poderem celebrar”, afirmou.

Jerónimo de Sousa valorizou o que foi alcançado nos últimos quatro anos, com a reposição de direitos que “muitos consideravam perdidos”, considerando, contudo, que estão ainda por resolver “problemas centrais da sociedade”, que exigem uma definição sobre se o rumo é o de “novas conquistas” ou do retrocesso.

“Não conseguimos os nossos objetivos eleitorais, é verdade. No entanto, por opção nossa, não vamos, passo o termo, amarrar ou burro ou zangar-nos com o povo. Não, camaradas. É com este povo que lutamos”, disse, salientando que, “mesmo percebendo da incompreensão em relação à importância do reforço da CDU”, os portugueses “podem continuar a contar com esta força”.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir