Fórmula 1

Itália não quer repetir os erros do GP da Austrália

Os organizadores do Grande Prémio de Itália de Fórmula 1 vão tomar todas as precauções para não terem de anular a sua prova à ‘última hora’, como sucedeu em Melbourne.

Naquele que deveria ter sido o arranque da temporada na Austrália a prova acabou por ser cancelada, depois de se ter detetado um caso de coronavírus entre o ‘staff’ da equipa McLaren.

A corrida italiana está marcada para setembro, pelo que ainda há margem para seguir a evolução da pandemia no país – e na região onde se disputa a prova, que foi a mais afetada em Itália, a Lombardia – e depois tomar uma decisão.

“Não nos podemos permitir a cometer os mesmos erros que a Austrália, onde foi anulado o Grande Prémio quando o público já estava no circuito”, referiu Angelo Sticchi Damiani, presidente do ACI (Automóvel Clube de Itália) ao jornal desportivo Gazzetta dello Sport.

Damiani acentuou: “Foi um revés para toda a gente, da Liberty Media (dona da F1) às equipas, passando pelos organizadores locais. Isso seria um desastre ter de parar tudo de novo”.

A Fórmula 1 já anulou ou adiou nove provas, sendo que os grandes prémios de França e da Bélgica são suscetíveis de ter o mesmo destino na sequência de decisões governamentais.

Para a prova italiana o presidente do ACI assume que se vive numa situação “de incerteza completa”, que aconselha a prudência. “A prioridade é perceber o que se passa nos países que acolhem os grandes prémios, e sobretudo na Grã-Bretanha e na Itália, onde a maior parte do ‘paddock’ está sediado”, defende Angelo Sticchi Damiani.

0Shares

Em destaque

Subir