Nas Notícias

Iniciativa Liberal critica Governo comprido, complicado e de continuidade

A Iniciativa Liberal considerou hoje que o novo Governo já “não é com primos”, mas é comprido, complicado, de continuidade e convencido ser possível atrair investimento mantendo o sistema fiscal, a justiça lenta e serviços públicos a funcionar mal.

A Iniciativa Liberal assinalou o dia da tomada de posse do XXII Governo Constitucional com um novo cartaz na Praça de Espanha, em Lisboa, o que já vem sendo uma imagem de marca do partido, desta vez para ilustrar o tamanho do novo executivo, que dizem deixar de ser “com primos” para passar a ser “comprido”.

Em declarações à agência Lusa, o deputado único do partido, João Cotrim de Figueiredo, assumiu que o discurso proferido hoje pelo primeiro-ministro empossado “só não aumenta as preocupações porque elas confirmam exatamente” o que os liberais temiam que pudesse acontecer com um “Governo de continuidade”.

“Este Governo não é um Governo com primos, mas é um Governo comprido. É o maior Governo desde 1976. Não é um governo com primos, mas é um Governo de continuidade na medida em que deixou de servir a família direta dos ministros e secretários de Estado, mas continua a servir a família socialista”, criticou.

Pelas contas de Cotrim de Figueiredo, “dos 19 ministros há 10 militantes do PS e oito que já foram eleitos em listas do PS ou já fizeram parte de governos do PS anteriormente”.

“Não é um Governo com primos, mas é um Governo complicado. A orgânica governamental complicou-se razoavelmente, desde logo nas designações nos ministérios que têm coisas como transição digital ou ação climática ou até coesão territorial, como se esses temas não fossem transversais a todos os ministérios”, apontou.

Esta complicação, o novo deputado da Iniciativa Liberal também a encontra nas designações das secretarias de Estado.

“Por fim, este Governo não é um Governo com primos, mas é um Governo convencido que é possível atrair investimento, como o primeiro-ministro hoje mencionou no seu discurso de tomada de posse, mantendo, ao mesmo tempo, uma das mais altas taxas de IRC para as empresas que há na UE, mantendo as taxas marginais de IRS nos escalões intermédios do mais alto que há também na UE e nos países que connosco concorrem, mantendo uma justiça que é lenta e que funciona mal e serviços públicos com casos diários de mau funcionamento que todos nós conhecemos”, elencou.

Assim, a Iniciativa Liberal aproveitou este dia e “o discurso que confirmou” os seus receios para ilustrar que “é tão vasto o número de cargos” do novo executivo que todos os nomes dos ministérios e secretárias de estado não cabiam “nem em um nem em duas estruturas de outdoors”.

“Tivemos que fazer um acrescento a uma segunda estrutura, e isso mostra bem a diferença que existiria entre este Governo socialista e um Governo que tivesse por base as ideias liberais que a Iniciativa defende”, comparou.

0Shares

Mais partilhadas da semana

Subir