Economia

Inflação homóloga na OCDE desacelerou para 2,4 por cento em dezembro

A taxa de inflação homóloga na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) desacelerou para 2,4 por cento em dezembro, contra 2,7 por cento em novembro, anunciou hoje a entidade em comunicado.

Segundo o comunicado, enquanto os preços da energia desaceleraram significativamente para 3,6 por cento em dezembro, contra 6,7 por cento em novembro, os da alimentação passaram de 1,9 por cento em novembro para 1,8 por cento em dezembro.

Na OCDE, a inflação subjacente, excluindo a evolução dos preços da alimentação e da energia, também desacelerou para 2,2 por cento em dezembro, contra 2,3 por cento em novembro.

A inflação homóloga desacelerou igualmente entre os países do G7 em dezembro, exceto no Canadá, onde subiu de 1,7 por cento em novembro para 2 por cento em dezembro.

Nos outros seis países, a inflação homóloga desceu na Alemanha (para 1,7 por cento em dezembro, contra 2,3 por cento em novembro), Itália (para 1,1 por cento, contra 1,6 por cento), no Japão (para 0,3 por cento, contra 0,8 por cento), França (para 1,6 por cento, contra 1,9 por cento), Estados Unidos (para 1,9 por cento, contra 2,2 por cento) e no Reino Unido (para 2,0 por cento, contra 2,2 por cento).

Os preços combinados da energia e dos produtos alimentares contribuíram significativamente para a inflação em muitos países da OCDE em dezembro mas tiveram um impacto negligenciável no Canadá, Japão e nos Estados Unidos.

A inflação homóloga na zona euro desceu para 1,6 por cento em dezembro, contra 1,9 por cento em novembro. Excluindo a alimentação e energia, a inflação subjacente manteve-se em 1 por cento em dezembro.

As estimativas do Eurostat para a inflação homóloga e subjacente na zona euro em janeiro é de 1,4 por cento e 1,1 por cento, respetivamente.

A inflação homóloga no G20 caiu para 3,2 por cento em dezembro, contra 3,4 por cento em novembro.

Entre as economias emergentes do G20, a inflação homóloga caiu na Argentina (para 47,6 por cento em dezembro, contra 48,5 por cento em novembro), África do Sul (para 4,4 por cento, contra 5,1 por cento), Arábia Saudita (para 2,2 por cento, contra 2,8 por cento), Brasil (para 3,7 por cento, contra 4,0 por cento), China (para 1,9 por cento, contra 2,2 por cento) e Indonésia (para 3,1 por cento, contra 3,2 por cento).

Em sentido contrário, a inflação homóloga subiu na Índia (para 5,2 por cento em dezembro, contra 4,9 por cento em novembro) e na federação Russa (para 4,3 por cento, contra 3,8 por cento).

Mais partilhadas da semana

Subir