Economia

INE confirma que inflação acelerou para 1,6 por cento em julho

O Índice de Preços no Consumidor (IPC) subiu 1,6 por cento em julho face ao mesmo mês de 2017, uma ligeira aceleração face ao crescimento de 1,5 por cento em junho, confirmou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Em termos mensais a inflação foi -0,6 por cento (0,1 por cento no mês precedente e -0,7 por cento em julho de 2017) e a média dos últimos doze meses fixou-se em 1,1 por cento, taxa idêntica à registada no mês anterior, acrescenta o INE.

A inflação subjacente (que exclui produtos alimentares não transformados e energéticos) registou uma variação homóloga de 1 por cento, valor idêntico ao registado em junho.

Já o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) cresceu 2,2 por cento em termos homólogos, mais 0,2 pontos percentuais à do mês anterior e superior em 0,1 pontos percentuais à estimativa do Eurostat para a área do Euro (em junho esta diferença foi nula).

“O IHPC registou uma variação mensal de -0,4 por cento (nula no mês anterior e -0,6 por cento em julho de 2017) e uma variação média dos últimos doze meses de 1,4 por cento (valor superior em 0,1 pontos percentuais ao registado em junho)”, afirma O INE.

Estes dados coincidem com a estimativa rápida dos preços do consumidor divulgada pelo INE em 31 de julho.

Já as rendas de habitação aumentaram 2,1 por cento em julho, valor superior em 0,2 pontos percentuais ao apurado no mês anterior. “Todas as regiões apresentaram variações homólogas positivas das rendas de habitação, tendo Lisboa registado o aumento mais intenso (2,7 por cento)”, descreve o INE.

Para o mesmo período, o valor médio das rendas de habitação por metro quadrado registou uma variação mensal de 0,2 por cento (valor idêntico no mês anterior).

“A região com a variação mensal mais elevada foi a do Algarve, com uma taxa de 0,4 por cento, sendo que todas as restantes regiões apresentaram valores positivos”, acrescenta.

Mais partilhadas da semana

Subir