Motores

Hugo Lopes sem sorte em Espanha

Hugo Lopes e Nuno Mota Ribeiro não tiveram a sorte pelo seu lado no Rali Princesa das Astúrias, quarta prova pontuável para a Peugeot Rally Cup Ibérica.

A dupla da AMSport foi uma das protagonistas no arranque do rali, com o terceiro melhor tempo na especial de abertura, mas no troço seguinte o azar ‘bateu-lhe à porta’, com um furo a custar 40 segundos.

Este azar não veio só e na terceira classificativa a situação repetiu-se. A diferença é que desta vez o furo custou vários minutos. Contudo o pior estava para vir, pois na última especial do dia um elemento do Peugeot 208 R2 cedeu e provocou uma saída de estrada. A prova de Hugo Lopes ficava por ali.

“Foi um rali novo para nós, com especiais bonitas, exigentes e técnicas! Partimos no primeiro dia apostados em impor um ritmo forte, começando com um terceiro tempo na primeira especial. Na segunda, o ritmo era frenético, mas não conseguimos evitar um furo que nos fez perder cerca de 40 segundos para os mais rápidos. A partir daquele momento restava-nos gerir e tentar subir algumas posições, mas no entanto não conseguimos evitar novo furo na terceira especial”, começou por contar o piloto de Viseu.

Hugo Lopes recorda o pior momento da prova espanhola: “Na quarta PE tivemos a certeza que a sorte não queria nada connosco e devido à quebra de um elemento mecânico, acabamos por ter uma saída de estrada numa esquerda muito rápida, o que levou inclusive à interrupção da especial para sermos conduzidos até ao hospital por precaução, onde felizmente se confirmou não se tratar mais do que um valente susto”.

“À minha equipa, patrocinadores e a todos aqueles que nos apoiam, um especial agradecimento, vamos tentar conseguir reunir os apoios necessários para viabilizar a nossa presença nas restantes provas do troféu”, acrescenta o piloto viseense.

4Shares

Em destaque

Subir