Europa

Hora do Planeta pretende adesão de 150 municípios portugueses em 2017

Os promotores portugueses da iniciativa mundial ‘Hora do Planeta’ pretendem alcançar a adesão de 150 municípios em Portugal, neste ano. O objetivo é apagar a luz em monumentos, como modo de chamar a atenção para a necessidade de proteger o ambiente.

“Estamos a 60 dias, a Hora do Planeta vai ser a 25 de março, este ano”, pelo que abriu hoje oficialmente a campanha a pedir aos municípios que se inscrevam e participem na iniciativa, segundo declarações à agência Lusa da coordenadora da associação de defesa do ambiente WWF Portugal, Ângela Morgado.

O objetivo é que as autarquias declarem “o seu apoio à Hora do Planeta, no município, cidade ou vila, desligando alguns monumentos simbólicos”, das 20h30 às 21h30, no dia 25 de março.

Os cidadãos também podem juntar-se à iniciativa, desligando a eletricidade nas suas habitações.

Esta iniciativa chegou a Portugal em 2008, com a adesão de 11 municípios. No ano passado, 120 municípios aderiram (ou seja, um terço das câmaras portuguesas).

“Gostávamos de crescer, pelo menos, cinco ou 10 por cento desse número [120] e chegar a cerca de 150 municípios, que seria cerca de metade de Portugal a aderir e a ficar às escuras pela Hora do Planeta”, salientou Ângela Morgado.

“A dinâmica da Hora do Planeta, sendo a maior plataforma de ação para o ambiente, [assenta] em compromissos das pessoas para com o ambiente, para uma vida com mais qualidade e mais sustentável”, explicou.

No ano passado, foram mais de 7000 cidades de 178 países ou territórios em todo o mundo, bem como milhões de pessoas que se juntaram a esta campanha pelo ambiente.

Entre os monumentos que ficaram às escuras em 2016, estarão o Mosteiro dos Jerónimos, o Cristo-Rei, a Torre de Belém, o Palácio Nacional da Pena, o Palácio de Nacional de Sintra, Castelo de São Jorge, Museu da Eletricidade, Muralhas de Miranda do Douro, Castelo de Porto de Mós, Muralhas de Serpa, Ponte de São Roque e Torre de Menagem, Mosteiro de São Dinis e Palácio de Monserrate.

9Shares

Mais partilhadas da semana

Subir