Desporto

Há atletas a tomar Viagra para competirem, escreve A Bola

Viagra_900Segundo adianta o jornal A Bola, na sua edição desta sexta-feira, “há atletas a tomar Viagra para competirem. Escreve aquele diário que o vasodilatador não é considerado dopante e que há “muitas federações que tentam esconder os castigos”.

Estará o Viagra a ser usado como ‘doping’? O comprimido, que não está na ‘lista negra’ das substâncias proibidas, poderá melhorar o desempenho desportivo em altitudes elevadas.

A discussão sobre o uso do Viagra como produto dopante não é nova. Há quase 10 anos que o assunto é abordado na mais alta esfera.

A Agência Mundial Antidopagem (AMA), refutou essa tese, em 2008, mas houve especialistas que garantiram, já nesse ano, que o comprimido azul pode melhorar o rendimento desportivo, desde que tomado em altitudes elevadas.

A AMA viria mais tarde a rever a sua posição, considerando que existia a possibilidade dos atletas de modalidades como alpinismo e ciclismo tomarem o comprimido para aumentar o rendimento precisamente em altitudes elevadas.

O Viagra também terá cativado alguns atletas nas modalidades de resistência (maratonas, ultramaratonas, ciclismo, entre outros).

Mas também no futebol. Na Argentina, e precisamente por causa da altitude, os jogadores do River Plate e do San Lorenzo terão tomado Viagra, segundo escreveu o jornal Globo.

Ao dilatar os vasos dos pulmões, o comprimido permite melhor capacidade respiratória num quadro de exigência física.

Recentemente, Victor Conte, dono de um laboratório que produzia o fármaco, disse numa entrevista ao Folha de São Paulo que nos Estados Unidos o Viagra é usado como doping. “Todos os meus atletas tomam. E é melhor do que a creatina”, garantiu.

Hoje, o diário desportivo A Bola dedica uma ampla reportagem, onde volta ao assunto do uso do Viagra para melhorar o desempenho… desportivo.

Certo é que as substâncias encontradas neste medicamento que serve para tratar a disfunção erétil não se encontram na lista de substâncias proibidas da todo-poderosa FIFA.

3Shares

Mais partilhadas da semana

Subir