Tecnologia

Guerra da privacidade: FBI aponta mira à WhatsApp, avança a imprensa

A guerra da privacidade entre as autoridades dos EUA e as gigantes tecnológicas está apenas a começar. A imprensa especializada avança que o FBI, depois do ataque ao iPhone da Apple (um impasse que a justiça tem agora de resolver), tem a WhatsApp na mira.

Para contextualizar é preciso recuar até fevereiro, quando o FBI quis investigar o conteúdo do iPhone de um dos autores do ataque terrorista de San Bernardino (Califórnia).

A Apple, contudo, recusou o pedido de desencriptação dos dados para não abrir “um perigoso precedente”, dando início à já chamada “guerra da privacidade”.

Agora, dizem a imprensa e os blogues especializados, o WhatsApp é a próxima vítima da curiosidade das autoridades norte-americanas.

No sábado, o prestigiado The New York Times revelou que o Departamento de Justiça e o FBI estarão a estudar o sistema de encriptação de mensagens usado pelo WhatsApp, a popular aplicação – e a que tem mais utilizadores em todo o mundo – que foi comprada pelo Facebook.

Isto porque, mesmo que um juiz autorize, as autoridades não conseguem colocar sob escuta um utilizador do WhatsApp.

Guerra da privacidade

De acordo com o The Guardian, a guerra da privacidade entre a tecnológica fundada por Steve Jobs e as autoridades norte-americanas, por causa do iPhone usado por um terrorista, levou as grandes empresas do setor a avançarem com medidas preventivas.

Google, Facebook, Whatsapp e Twitter são apenas quatro das empresas mais famosas que já estão a avançar com um reforço da privacidade dos utilizadores, nomeadamente através de uma melhor encriptação dos dados, segundo o jornal britânico.

Este aumento da segurança é visto com desconfiança pelas autoridades, mas a privacidade é um dos baluartes das tecnológicas de Silicon Valley.

Convém recordar que a maioria das tecnológicas (como Microsoft, Google, Facebook, Snapchat e Amazon) manifestaram publicamente solidariedade para com o CEO da Apple, Tim Cook, neste diferendo com o Departamento de Justiça dos EUA.

1Shares

Mais partilhadas da semana

Subir